quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Pensando pequeno

Um assunto tem me incomodado bastante nos últimos dias - e antes que eu comece, de fato, a escrever, digo que nada tenho contra uma organização em que já trabalhei e respeito bastante. Mas me intriga demais que LBF e LNB, duas das instituições mais importantes do basquete nacional, pensem muito pequeno quando falamos em comunicação com o mercado, divulgação e marketing.

Para se ter uma ideia, na terça-feira, em São Paulo, a turma da LBF se reuniu na TV Globo com chefes da emissora e da Globo.com para falar sobre como melhorar a cobertura jornalística das competições. Pelo lado dos rapazes, Kouros, presidente da Liga, cansa de dizer (e já disse a este blog inclusive) que "o melhor marketing (da LNB) chama-se TV Globo". Na boa, é uma visão míope, pequena, reducionista demais.

Ao invés de ampliar o debate, LBF e LNB fecham o cerco. Ao invés de promover discussões saudáveis com todos que têm a contribuir, elas preferem se encolher. Repito e insisto: as entidades confiam demais nas Organizações Globo, e acabam não pensando em como chegar no cliente final (torcedor) sem a sua ajuda - as tais soluções alternativas para buscar receitas diferentes praticamente inexisten. Enquanto não caminharem com as próprias pernas, com independência, isenção e autonomia para decidir e pensar no que é melhor, nunca o basquete brasileiro estará reconstruído. Pensar grande não é fácil, mas escolhendo o caminho mais curto nem sempre se vai longe.

20 comentários:

marcelo marques disse...

a globo é um dos males brasileiros

Anônimo disse...

bala,
isso e verdade. O basquete so vai andar quando as pessoas começarem a te ouvir.
Abraços

mineiro disse...

É isso que muitos vão cobrando... e, para quem vai sendo dobrado pela Globo, recebem a taxação de estarem pensando pequeno ou atuarem contra o crescimento do basquete.

Enquanto as Ligas permanecerem presas a um modelo único, fechado, que já tem outros produtos vendendo bem, o basquete seguirá como segunda classe.

Enfim, resta esperar...

Belo post, Bala!

Anônimo disse...

As coisas são engraçadas nesse
país,Nos tempos aureos do basquete
a bandeirantes teve uma participa-
ção importantissima no sucesso da
modalidade com o Luciano do Valle.
Hoje o volei está bombando porque
a Globo entrou com tudo na super-
liga.Pergunta:Porque a globo não
pode fazer o mesmo com o basquete?
A record fica no meio do caminho.
Não vai para frente nunca e o seu
time de profissionais é muito pobre
As opiniões são dadas,mas as solu-
ções não.Infelismente.

Anônimo disse...

Engraçado como as pessoas lêem o ar quer. O bala diz que a culpa é dos clubes, Que não se mexem, e aí as pessoas vem falar qe a culpa ê da globo.

Vai entender...

Triste

Rafael - df

Anônimo disse...

Poderiam promover um jogo exibição dentro do BBB!

chopp disse...

Eu assisto baskete todas as quintas no canal space!

Ricardo disse...

Todas as outras modalidades esportivas, inclusive futebol e vôlei, que hoje são os principais esportes do país fazem de tudo para conseguir espaço na Globo.

Porque o basquete seria diferente?


Seria interessante publicar também o quanto representa de retorno de mídia duas horas de exibição de uma partida de basquete na Globo.


Assim a análise seria mais realista.

peter schiling disse...

Gostaria de pontuar outra coisa também. Nos noticiários esportivos da Globo, todos os dias o basquete é mencionado, coisa que a emissora não faz com modalidades que não são exclusividade sua. Já vimos ela ignorar sumariamente diversos acontecimentos esportivos relevantes, simplesmente pq a concorrência é que detem os direitos de transmissão. São notícias e materias que aproximam o telespectador dos nomes do basquete, o que é bem importante para o crescimento da modalidade.

Nesse período de parceria com a Globo, já vi o basquete ser mencionado várias vezes em noticiários não-esportivos também, inclusive no Jornal Nacional. Até na Ana Maria Braga e no Altas Horas já vi espaço dedicado ao basquete. Além é claro da presença nos sites da Globo.

Dito isso, concordo plenamente que a utilização das "tais soluções alternativas" é mínimo e os clubes e a liga tem muito a crescer e desenvolver nesse sentido.

Lucas disse...

Fala Bala!
Antes de mais nada queria me desculpar pelo último comentário e agradecer o seu bom senso. Realmente exagerei.

Mas nesse post vc colocou tudo de maneira correta.
Tudo bem q a Globo é a maior emissora de TV do país mas aceitar todas as suas imposições em troca de 1 jogo por ano na TV aberta e 1 jogo por semana na TV fechada é apequenar ainda mais o nosso basquete!
Não sei como foi formalizado o acordo com a TV mas será q não seria melhor fechar com uma TV de menor porte como a Record ou até mesmo a RedeTV e garantir, ao menos 1 jogo por semana em Tv aberta? Será q a exposição do esporte não seria maior? Não adianta fortalecer a liga se não tem exposição! Esse ano tivemos alguns grandes jogos no NBB mas ninguém viu. E pq? Pq apenas o Sportv transmite e, mesmo assim, de acordo com sua comodidade.

Só com a exposição em canal aberto massificaremos o basquete novamente. Além disso, o minuto de propaganda é mais valioso na Tv aberta do q na fechada. Ainda q seja uma emissora pequena, a RedeTv recebe mais com intervalos comerciais do q o SporTV. Isso é importante na hora de atrair patrocínios para os times. É muito mais fácil vc vender espaço na sua camisa se seu time jogará com transmissão da TV aberta e com mais e melhores patrocínios o nível do jogo aumenta.

Vlw!

Lucas disse...

Outra coisa:
Será q o contrato com a Globo inclui transmissão online?

A Federação Paulista de Futebol transmitiu a Copa SP de Jrs. pelo seu site e a transmissão foi bem legal. Claro q não é um league pass mas foi muito boa.

É uma maneira barata de difundir o esporte e transmitir mais jogos todos os dias. Será q a LNB tem autonomia para explorar esse tipo de transmissão ou tb a vendeu para a Globo? Eu sei q no Campeonato Brasileiro de Futebol é vedado aos clubes usarem transmissão online pq está inclusa no pacote da Globo, apesar da emissora não fazê-la.

Só com a publicidade do contrato firmado entre LNB e Globo q podemos julgar e opinar melhor.

Ah bala, mudando bem de assunto, tem notícias da camisa da seleção?
A CBB não responde meus e-mails. Até hj não sei quando começarão a vender. O pré-olímpico tá chegando e eles vão perder mais essa chance de vednder camisas.

Vlw

Henrique Lima disse...

Bala, pode até ser a Globo, o melhor mkt que a LNB tem. Não tem problema nisso.

O problema maior é encarar como se fosse o ÚNICO MKT disponível na história por aí ..

Se os caras focassem uma melhorada no site (dizem que vai sair), por exemplo, é uma forma de mkt também.
Ou não ???

Loja virtual por exemplo, dentro do site, vendendo tudo que imaginarmos relacionado à liga, melhoraria também a visibilidade da marca, não ?


Enfim, sentar no colo da Globo e achar que ali é a última coisa que existe, essa sim é a burrice.

Um abraçao e parabens ontem no twitter, muito legal mesmo !

Luiz disse...

Concordo com o Henrique. A LBF e a NBB estão corretos em dar importância a cobertura da TV Globo, mas estão erradíssimo ao se acomodar e acreditar que isso é o único marketing que pode ser feito em relação às competições de basquete. A CBB gosta tanto de se espelhar no basquete espanhol, que tal dar uma olhada no site da FEB e observar as ações de marketing que eles apresentam, como transmissão online das partidas, loja virtual, jogadores e jogadas da semana transmitidas pelo site, etc.

Jonathan Soares disse...

Acho que se o Basquete Estivesse seria uma Boa Pro Esporte Mas Acho a LBF e LNB estar querendo Vira Refem da TV Globo, Ja vai Alterar a Final do NBB4 pra um Jogo, so pra ter Trasmição da Globo acho que as coisas não são assim

Anônimo disse...

"Seria interessante publicar também o quanto representa de retorno de mídia duas horas de exibição de uma partida de basquete na Globo."

O site "Máquina do Esporte" divulgou o resultado no Ibope:

"A emissora carioca havia decidido transmitir o Jogo das Estrelas ao vivo, em canal aberto, a partir das 10h de sábado (29). A partida entre os melhores atletas do país e os melhores estrangeiros com atuação no Brasil, contudo, fez a Globo brigar pela segunda colocação, com audiência entre 5,7 e 6,5 pontos, segundo números do Ibope.

Com o programa Sábado Animado, sequência de desenhos animados, o SBT conseguiu 6,2 pontos entre 10h e 10h30 e 6,3 pontos entre 10h30 e 11h, acima do número atingido pela concorrente com o basquete. A Record, com 5,5 pontos de audiência em ambas as faixas de horário, conseguiu empatar com a Globo em vários momentos."

Enfim, o basquete perdeu em Ibope para os desenhos do Silvio Santos. rs

Ricardo disse...

Anônimo das 13:50,


Retorno de mídia não significa exatamente audiência.

Não é minha especialidade, mas acredito que nesse caso específico seria uma forma de quantificar o ganho dos patrocinadores que investem no basquete tem com a visibilidade de sua marca durante as transmissões na Globo.
Sabe-se que cada minuto de espaço publicitário na Rede Globo custa uma fortuna, mas não sei quais são os valores, talvez o Fabio, que é jornalista, posso nos esclarecer melhor sobre o assunto.

william disse...

Pequeno mesmo ninguém pensa em trazer o basket pra teve aberta não importa o dia horario emissora e no começo os valores não seriam enormes e tbm no caso não estariam perdendo mta coisa, mas precisa de coragem sair desse "dominio" e a humilhante final de 1 jogo só e todos ficam "felizes". Esse esporte e apaixonante e só pelo simples fato de estar passando mas pessoas já se interesariam 1 em assistir, 2 praticar, 3 gastar dinheirro nele sendo cmprando tenis, camisa, acessorios e ou ate mesmo patrocinando incentivando.
Todos tem alembrança do basket do tempo do oscar, marcel, paula, hortencia era o um tempo em que se passava basket na teve pra todo mundo ver a band passava nba e empresas colocavam dinheiro pra aparecer na tv e fortificar a modalidade, nesse tempo quem era o voley????

Fábio Carvalho disse...

Acho que só o Lucas comentou acima a respeito disso, e tenho que concordar: a internet é um meio fantástico e pode ser uma boa alternativa. No entanto, apesar de concordar que a Globo é um mal necessário nesse início de caminhada, não gosto nem um pouco do marketing dela e da própria liga. Pra ser bem chato, não gosto nem do nome: NBB, até quando vai ser "novo"? Assistir a um Esporte Espetacular aos domingos é um teste de paciência, tem dia que é prova de cara batendo recorde andando com uma só roda na bike, e demais bizarrices. Por que não mostrar um Top-10 das melhores jogadas da semana? Por que não um resumo mais generoso dos jogos, com mais detalhes? Pior que isso, só Tande comentando basquete... espera, isso aconteceu!
Enfim, paguei 100 e poucos reais pelo League Pass e tô feliz da vida, porque não dependo da ESPN e de nenhum outro canal. Vejo na hora que der na telha e quantas vezes queira. Isso se chama liberdade, o que não combina com a "exclusividade Globo". De boa, a internet é uma ferramenta fantástica, mas somente para aqueles que sabem usá-la adequadamente. Fica a dica pro Kouros: agora essa aliança é necessária, mas em breve é hora de bater o pé e olhar com mais atenção para a internet.
Abraços!

Anônimo disse...

Concordo plenamente esse NOVO na basquete e ridiculo.

Ricardo disse...

Ainda acho que a análise ficou muito parcial.

Só está sendo divulgado o quanto vai "custar" para o basquete atender as exigências da Rede Globo, o quanto o basquete e os patrocinadores vão ganhar com as transmissões não foi dimensionado.

Assim fica difícil analisar os prós e contras.