quinta-feira, 4 de novembro de 2010

A gestora Paula

Maria Paula Gonçalves acaba de assumir mais um ousado projeto em sua brilhante carreira. É a nova gestora do fundo criado pela Petrobras para apoiar modalidades menos favorecidas. O Bala na Cesta foi conversar com ela, e se o papo não ficou à altura de Magic Paula, eu peço perdão por não ter a magia da ex-atleta.

BALA NA CESTA: Você acaba de assumir um projeto ousado da Petrobras. Será uma das gestoras de esportes não muito favorecidos em seus orçamentos (remo, tae kwon do, esgrima, levantamento de peso e boxe). O abismo que você encontrou foi maior do que esperava, e qual será o seu método de trabalho com estas modalidades?
PAULA: Não encontrei nenhum abismo, mas sim a realidade de cada modalidade, sem surpresa alguma. Encontrei presidentes e dirigentes com fortes ideiais e disposição para trabalhar, e ansiosos pela melhoria da modalidade.

-- Quando você começou a analisar estes esportes, chegou a ficar chocada com as dificuldades que teria, ou já esperava? Fazendo uma comparação com o basquete, o nível de, digamos, profissionalismo que há, hoje, na CBB está acima ou abaixo do esperado?
-- Em nenhum momento fiquei chocada. Não tenho como fazer comparações. O importante é que não podemos olhar pra trás. O objetivo é o futuro e devemos principalmente assegurar boas condições a serem oferecidas aos atletas.

-- Muita gente gostaria que você voltasse ao basquete, o esporte que o projetou mas que há quase dez anos não lhe vê "dando as caras". Por que você não volta, e o que a motivaria a voltar? -- Na condição de pós-atleta, dei sequência aos meus estudos e me especializei em gestão esportiva. Sou uma gestora profissional. Estou qualificada para trabalhar em todas as manifestações desportivas: participação, educação e rendimento. O convite para assum
ir este desafio estava totalmente alinhado e sintonizado com o que acredito: o apoio integral ao atleta.

-- O que você achou do Mundial feminino da República Tcheca? Depois da competição, muito se falou sobre o trabalho de um psicólogo com a equipe, e queria saber a sua opinião a respeito do tema.
-- Acompanhei e torci pelo sucesso da Seleção Brasileira. Quanto ao trabalho de profissionais multidisciplinares, em se tratando de seleção brasileira de basquete, só a CBB pode responder. Sempre acreditei na importância deste profissional, e dentro do projeto da Petrobras este atendimento está contemplado.

-- Pelo que você tem visto, como você avalia o trabalho da Hortência à frente do basquete feminino brasileiro? Esperava mais ou está dentro do previsto?
-- Torço pelo seu sucesso da Hortência e das meninas.

-- Por fim, uma provocação: é sintomático que grandes nomes da modalidade, como você, Wlamir, Oscar e Maria Helena Cardoso, estejam alijados do processo de reconstrução do basquete brasileiro, ou você enxerga apenas como coincidência? Como fazer com que vocês voltem a contribuir com o esporte?
-- Acredito que tudo tem o seu tempo.

37 comentários:

Anônimo disse...

Parabens Bala ótima matéria. A Paula sempre foi excelente, educada,inteligente, mágica.
Pena que estas qualidades não sirvam para integrar a CBB,pelo menos enquanto O pessoal do Grego Nunes tiver por lá. Quanta diferença para a Hortencia e Janeth.Viva Paula!

Anônimo disse...

Paula realmente é preparada para um cargo administrativo no basquete,e provavelmente vai fazer bem como sempre fez. Agora por que ela não foi aproveitada nas seleções femininas?
Será que o certo é colocar um preparador físico no comando da Escola Nacional de treinadores como fez o sr. Grego Nunes?
Um dia hei de ver Paula como mandatária das categorias femininas, ou quem sabe como presidenta da CBB, para acabar com esta farra que lima o basquete nacional. Torço por você Magic Paula.

Anônimo disse...

BALA GRANDE ENTREVISTA. IMPRESSIONA A ELEGÂNCIA E DIFERENÇA DELA PARA A HORTÊNCIA. aCHO QUE ELA É A RAINHA VERDADEIRA DO BASQUETE,ALEM DE SER MAIS BONITA.

Anônimo disse...

BALA GRANDE ENTREVISTA. IMPRESSIONA A ELEGÂNCIA E DIFERENÇA DELA PARA A HORTÊNCIA. aCHO QUE ELA É A RAINHA VERDADEIRA DO BASQUETE,ALEM DE SER MAIS BONITA.

eZ disse...

Ela não quer se queimar por que sabe que é questão de tempo para a Hortência sair ( Péssimo trabalho ) e ela dará as caras no Basquete Feminino.

Anônimo disse...

Na pior das hipóteses, Paula foi muito cuidadosa com as respostas...e é desse tipo de gente que precisamos para reeguer nosso basquete...

Velho jargão, mas que se encaixa muito bem ao nosso momento: "Chega dos Mesmos"

Anônimo disse...

Sobre os comentários do Anonimo das 00:54...Infelizmente, ou felizmente, o preparador físico foi o único a se dispor a fazer tal serviço...méritos pra ele, que está brigando por uma coisa importantíssima...
Mas, não seria o caso da LNB e a ENTB entrarem em um acordo, e colocarem o Lula junto com o Diego na ENTB???

Anônimo disse...

Muito boa a entrevista Bala, parabéns, e que a Paula tenha muito sucesso nesse novo compromisso dela, uma função para qual ela SE PREPAROU PARA OFERECER MAIS UMA VEZ O SEU MELHOR AO ESPORTE BRASILEIRO, seja a modalidade que for.É por ver um Splitter dentro de quadra, uma Paula em entrevistas como essa, os posts do Bala na Cesta e o blog do professor Paulo Murilo, que ainda acredito muito no nosso país!Um dia chegaremos lá e pelo caminho mais bonito que é o da ETICA,PROFISSIONALISMO, COMPETENCIA, EDUCAÇÃO , COMPROMETIMENTO E PRINCIPALMENTE RESPOSNSABILIDADE SOCIAL!Tivemos, temos e sempre teremos material humano no Brasil,é só colocar as pessoas certas nos lugares certos.

Exemplo: Paula como gestora de um projeto desses e Hortência no Big Brother.

Parabéns mais uma vez.

EDSON BOB disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
EDSON BOB disse...

Complicado vê uma pessoa que motivou muita gente a praticar o basquete, a gostar de uma modalidade fantástica..... e agora onde sua contribuição poderia ser ainda maior motivando ainda mais gente, ela "abandona".... Ou a coisa é muito ruim, não conseguiu alcançar seus objetvos?...ou simplesmente esta obrigada...a ficar distânte.....

maníaco-MA disse...

Que VASELINA!! Uma pessoa da importância da Paula, ficar se omitindo em questões agudas como as sucitadas pelo Bala, é decepcionante!

Anônimo disse...

GUTO

A ENTREVISTA DA PAULA PODE SER VISTA DE DOIS ANGULOS- OU ÉTICA OU OMISSA!OU COMO DISSE NO AMIGO AI DE CIMA OU AINDA VULGARMENTE CONHECIDA "VASELINA".A PAULA JÁ FOI MAIS AUTENTICA!

Anônimo disse...

GUTO

SÓ PARA COMPLEMENTAR,AGORA QUE NEM SE COMPARA SUA EDUCAÇÃO,"CATIGORIA"COM A DA FRACASSADA DIRETORA HORTENCIA,ISTO É INQUESTIONÁVEL!

Ramona, a Glam disse...

Bem cuidadosa com as repostas mesmo. Em entrevista ao Kfouri, ela disse que não quer ser acusada de querer tomar o lugar da Hortência.

Anônimo disse...

A Paula tem sido questionada sobre todos os temas polêmicos envolvendo o basquete feminino como a posição da CBB no caso Iziane, a opção da Hortência pelo inexperiente Colinas, a péssima campanha no Mundial, o caso da Janeth agenciando atletas.

As pessoas responsáveis se omitem de dar entrevistas e de dizer a verdade e acaba sendo Paula a única que fala ou falava abertamente sobre todos esses escândalos.

Numa entrevista ao Juca Kfouri que está no site da ESPN em vídeo ela declarou: "eu tenho até medo de falar sobre o basquete feminino, pois pela ignorância de algumas pessoas, podem achar que eu estou falando mal da Hortência, que eu gostaria de estar no lugar dela".

Concordo com a Paula, ela já falou sobre tudo que tinha para falar sobre as polêmicas do basquete feminino e agora está focada em seu projeto e evitando assumir um papel de crítica oficial do basquete feminino.

Acredito que os responsáveis pelas lambanças do basquete que devem ser procurados e questionados insistentemente sobre cada assuntos.

Janeth até agora não deu entrevista para esclarecer o gravíssimo caso de agenciamento da Damiris, notinha no site da CBB é muito pouco para o caso.

Hortência e Carlos Nunes também se esquivam o tempo todo e quando falam, falam besteiras.

Paula não pode responder por eles ou ficar na posição de crítica oficial da CBB.


Luis

Anônimo disse...

mas o bala tentou que tentou e tentou jogar puxar o pessimismo e nao deu.
Bala: " o abismo que voce encontrou..."
Paula " nao encontrei nenhum abismo..."

Bala"Chegou a ficar chocada..."
Paula:" em nenhum momento fiquei chocada..."

Mas e sempre bom ver a Paula por aqui.

Anônimo disse...

A Paula deu um exemplo de preparação para ter um alto cargo ao contrário da Hortência que só foi uma grande jogadora, e fala sem parar,como o lance da música para as meninas no mundial.Que diferença

Anônimo disse...

Por que a Paula não assume a Escola Nacional de Treinadores de Basketball no lugar do preparadorzinho físico que administra?Ou melhor poderia ser diretora técnica no lugar do TRAÍRA-MOR Andre Alves. A CBB daria um salto de qualidade enorme.

Anônimo disse...

Por que será que o sr.Grego Nunes não a chamou para trabalhar a favor do brasil na CBB?Ela é muito mais bem preparada que qualquer nome da sua fraca gestão e tem carisma,coisa que anda faltando por lá.

Anônimo disse...

Acorda Grego Nunes ai tá uma grande nome para começar a mudar o fracasso da sua gestão casada com gente podre.

Márcio-33 disse...

Não esta em jogo a capacidade dela como gestora só a entrevista, as perguntas foram certeiras mas achei as respostas muito vagas. Ela não revelou o que realmente pensa. Não vejo uma qualidade nisso, me lembra os politicos em campanha sempre dando respostas vagas a temas polemicos.

Anônimo disse...

vc só levou patada dela
uahuahuahuahuah

Anônimo disse...

Respostas elegantes da Paula. Sem se comprometer ou parecer estar atraz de cargos, foi cautelosa em não magoar ninguem. Seria como bater em cachorro morto.
Mostra estar absolutamente preparada e consciente de sua capacidade gestora.
Quanta diferença para a Hortencia e sua diarreia verbal e de todo pessoal da CBB com o imenso despreparo, alem de serem especialistas em estar todo o tempo escondidos, ou viajando.
Os clubes, NBB mais os que gostam do Basket, que são os que realmente fazem a roda do Basket girar, deveriam se articular para por gente com visão empresarial (Kouros? algum presidente de clube?) na CBB ou fazer uma revolução mesmo, porque do jeito que esta a gestão na "CBB dos amigos" num dá pra levar a serio.
Abç
Eduardo

Anônimo disse...

O Bala tentou conduzir a entrevista para o lado mais crítico em relação a falta de apoio e estrutura ao esporte e a péssima gestão da CBB, mas a Paula está confiante em relação a esse novo projeto de gestão esportiva e também já fez todas as críticas que deveria fazer a CBB e não quer mais ser colocado nesse papel.

Corretíssima!

Anônimo disse...

"Na condição de pós-atleta, dei sequência aos meus estudos e me especializei em gestão esportiva. Sou uma gestora profissional".


Hortência e Janeth poderiam seguir o exemplo da Paula: ESTUDAR E SE PROFISSIONALIZAR antes de assumir um cargo.

Anônimo disse...

OBSERVADOR

A Paula demonstrou amadurecimento nesta sua entrevista,lembro-me bem de suas entrevistas cheias de incoerencias e agressivades para todos os lados,e até desequilibradas,valendo uma celébre frase do falecido Paulo Cheide,quando pres.da FPB, "Paula jogando é um cisne,falando é uma gralha".Hoje com a idade e realizada suas falas são de total equilibrio,até fugindo legal de respostas que vc Bala gostaria que ela desse.
Agora,não entendi citar Oscar,Wlamir e M.Helena,como profissionais fora da CBB.
Wlamir em que pese ter sido um extraordinário jogador,nunca se interessou a ser gestor,tentou a carreira de técnico e ficou só na academica agora comentárista.O Oscar já deu mostras de seu "potencial"de gestor com sua falida Liga,e com seus projetos tipo Telemar.O Wlamir foi um extraordinário jogador,tentou a carreira de técnico,mas ficou na academica e agora ESPN.A Maria Helena foi uma excelente técnica de clubes,mas em termos de gestora ou técnica,de seleção,só marcou sua presença no titulo de Cuba.Se tem um nome que vcs insitem em esquecer é o nosso Magnano tupiniquim,o Miguel Angelo.O Magnano é reverenciado no Brasil pelos seus titulos,e o Miguel é ignorado,levando a crer que os méritos da conquista foram das jogadoras,Vamos aguardar, pois de repente vamos ter um "QUALQUER SEMELHANÇA É MERA COINCIDENCIA"

Márcio-33 disse...

A liga do Oscar só não foi para a frente devido a dois ou tres clubes grandes se venderem para a CBB por cotas maiores de tv e por questões de vaidade. lembro que Franca não quis o sistema oferecido pela NLB de patrocinio das placas do ginasio Uberlandia saiu por briga entre Oscar e Senador e ai todo mundo voltou para a CBB.Mesmo assim ainda houve um campeonato que uniu times de todo o brasil, infelizmente os melhores não participaram. A idéia era excelente mas nesta época cada clube olhava para seu próprio umbigo e não percebia que só havia um umbigo, o de todos, tanto que o NBB veio logo depois para fazer o mesmo que a NLB tirar a teta da boca do Grego.

Anônimo disse...

A Maria Helena Cardoso poderia sim coordenar o trabalho de base da CBB e por exemplo, ensinar a janeth a ser técnica, coisa que ela não sabe e usa seleção sub-15 pára aprender, um absurdo!


Parabéns Bala, pela entrevista.



Paula cada vez mais madura, elagante e profissional, uma verdadeira rainha!


Ricardo.

Anônimo disse...

Comparando a excelente entrevista da Paula com o que presenciamos com a postura da Hortencia, é mesmo que comparar quem tem pedigri com vira lata, não dá meus amigos, e digo mais se a Paula estivesse na CBB não ia conseguir trabalhar, a competencia dela esta muito acima do que estão lá, e os interesses lá são outros que iam bater de frente com o trabalho que a Paula vem fazendo no esporte, fuja da CBB aquilo é um covil de incopetencia, começa pelo presidente carlos grego omisso nunes, o basquete é o que menos importa, para aqueles que estão lá ao lado de engodo.

Anônimo disse...

Concordo com o anonimo acima, fuja daquele covil paula e da convivencia do grego omisso nunes e sua trairas.Paula esta bem acima disso, no nivel do nosso volei.

Anônimo disse...

Quando será que vamos ver o Grego Omisso Nunes trocado por alguém que realmente mude os rumos do basket.

Anônimo disse...

Fazendo uma analogia, a Paula seria o Capitão Nascimento dentro da CBB, perceberia que seus principais adversários estariam sentados ao lado. Assim como no filme, só mudando o sistema.

Anônimo disse...

Concordo com o anonimo 4 de novembro de 2010 13:31

Cara a Paula foi mega elegante, mas deu dos dedos do mala da cesta!

Oi Ricardo... 4 de novembro de 2010 15:37

Se a Janeth não soubesse ser técnica não teria vencido com a seleção sub-15 no ano passado! Já vi que você entende TUDO de basquete!!! hahahahaha


Isso aqui é piada! depois que inventaram BLOGs qualquer pode entrar na NET e escrever esse monte de MERDA! hahahahaha
To indo daqui... primeira e última visita! Beso!!!

Fernando Santos disse...

Tentou-se de todas as maneiras fazer a Paula falar mal da Hortencia... rs!

Ainda nao foi dessa vez!

Anônimo disse...

Tem momentos que o silêncio vale mais de mil palavras e a Paula usou isto muito bem, falar o que todo mundo ja sabe, não perdeu tempo com redundancias o que mostra que o seu nivel tem pedigree e não perde tempo com nivel de vira latas.

Anônimo disse...

"O magnano tupiniquim"??? O Miguel Angelo?????? Se o Miguel Angelo é o magnano tupiniquim o Ferreto é o etore messina do interior e o Chupeta é o Phill Jackson da Penha. Faça-me o favor!!!!!!!!!!
Posso apostar q o imbecil q diz uma coisa dessas deve achar q o sucessor do magnano é o marcel!

Marco Antonio disse...

Fiquei 03 anos no Centro Olímpico/SP, acompanhando minha filha ( jogando basquete ) e fiquei ainda mais fã da Magic Paula, ela trabalha mesmo, chegava cedinho e só ia embora após as 19 horas.
A mão dela é Mágic mesmo onde ela toca vira ouro e com certeza o projeto dará certo.