sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

Alto-falante

"Raras vezes vi um jogador com tanta precisão para o arremesso quanto o Oscar, só que a quantidade de bolas que ele mandava para cesta era insuficiente para fazer a equipe jogar. Não sei por que dirigentes e técnicos se deixaram influenciar por esse dom e permitiram que as equipes jogassem dessa maneira, com ele fazendo 50 pontos por jogo e o cara que ele marcava, 60. Se eu fosse um técnico de basquete, eu preferia não tê-lo em quadra. Preferia cinco jogadores solidários. Durante o tempo em que ele permaneceu, contou com apoio de dirigentes, técnicos e de companheiros de time"

As declarações, fortes, são de Amaury Pasos, em entrevista à Folha Online, e fazem críticas pesadas ao jogo de Oscar Schmidt. Sinceramente não sei porque, em um momento desses (de festa pelo título mundial de 1959 e de união aparente pela LNB), o basquete brasileiro consegue se meter em uma polêmica vazia dessas.

Mas e aí, você concorda com as declarações de Amaury?

16 comentários:

Gabriel disse...

Fabio,concordo contigo que sobre o momento.Nao eh hora pra isso.Uma polemica sem motivo algum.
Mas disse muita verdade ali,na minha opiniao.Esse estilo de jogo pontuador e soh infectou o basquete brasileiro e eh uma praga sem fim.Ainda ontem,assistindo a uma partida de nossos futuros adversarios no campeonato regional que disputamos lembramos o tempo todo do Oscar ao vermos um ala arremessar 8 bolas de 3 no primeiro quarto e terminar o primeiro tempo com mais de 20 pontos e o time levar muito mais que os 40 que conseguiu produzir.Ele nao defende,como o Oscar nunca defendeu e se exime da responsabilidade por ser o pontuador,como o Oscar sempre fez.
O basquete brasileiro eh infectado por esse virus do ataque tresloucado.
Abraco e desculpe a digressao.

Anônimo disse...

Vejam a entrevista que o Oscar deu no site Uol. Já comentei anteriormente...ele fala várias barbaridades como por exemplo dizer que o Pan de 87 é mais valioso que o Bicampeonato Mundial de 59 e 63. Que invejoso! O Amaury Passo ainda lembra que o Brasil ganhou o Pan de 71. Abraços!

Anônimo disse...

Oscar não defendia nem ponto de vista. KKKKKKKKK.

Heverton Elias

Marcelo disse...

Já li em diversos lugares, opinião de gente que entende, que Amaury e Wlamir foram os 2 maiores jogadores da nossa história. Mas isso é opinião e cada um tem a sua. Com relação às palavras do Amaury, parece que o Oscar nunca foi nada. Muito pelo contrário, o cara sempre foi bem conceituado nas ligas europeias, inclusive tendo sido cogitado a jogar na NBA nos anos 80 quando a gente nem “sabia” o que era a liga americana. Acho o Oscar ufanista, prepotente, um cara que transpira arrogância. Mas, sempre tem um mas, ele foi bom no que fez. E se ele chutava milhares de bolas, ou era porque ninguém tomava a frente pra chutar também, ou porque muitas dessas bolas caíam (coisa que a maioria de hoje não consegue). Só lamento que esse fogo cruzado, que já vem de longe, seja jogado no ventilador justo agora que comemoramos o cinquentenário da nossa conquista mais importante e no momento do surgimento da liga, que é um alento (bem pequeno, é verdade) pros frustrados basqueteiros que somos. Abraço.

Anônimo disse...

Vcs nao conhecem o Amaury, o ego dele é 2x o do Oscar.
Ficam falando quem foi o melhor, é impossivel comparar a epoca de Amaury e cia e a epoca do oscar e tambem impossivel comparar a epoca do Oscar com a de agora.
Todos tiveram seu momentos e foram importante em seu momento.quem sabe se a LNB nao consegue unir estes dois jogadores maravilhosos, ja que conseguiu unir os Clubes, CBB, Globo,Patrocinadores em entrar no que parecia uma canoa furada e que me parece que ira mudar o conceito e o rumo do Esporte(Voley, nataçao,Handebol e etc).
Vamos la, vamos ajudar, vamos ser otimistas ou vamos somente jogar pedras.
Os caras conseguiram,vamos dar um credito para a LNB.Vamos dar criticas construtivas, vamos abolir os politicos e criticas politicas. O basquete precisa de todos nós.

Anônimo disse...

Como sempre discussões inócuas entre duas grandes gerações.

Não resta dúvida que o Amauri sempre que pode tenta fazer crer e desmerecer os feitos de Osrcar e cia.

Amauri não entende que os títulos mundiais e outros que conseguiu falam por si só e não necessariamente representa que o Pan de 1987 é insignificante assim.

Como bem disse o Marcelo Oscar tem seus defeitos , mas não se pode culpar um cara respeitado no mundo do basquete pelas faltas de consquistas do Brasil.

Quando Oscar tinha melhores companheiros e estava em forma , o Brasil sempre esteve perto dos 4 melhores do mundo inclusive e Olimpíadas e Mundais , com o bronze em 1979, e como aquele fortíssimo de 1986 - como URSS de Sabonis , Yoguslávia e USA de Mogsy Bogues e Cia.- que o Brasil ficou num brilhante em 4º.

Quando a qualidade de nossos jogadores decaiu , Nem Oscar nem Marcel ne mesmo Amauri e Wlamir conseguiriam resultados com Helinhos, Olivia, Rogérios , Nezinhos, etc.
E outro detalhe não podemos esquecer os jogadores caíram tenicamente por questão de má formação dos técnicos(com exceções), falta de estrutura do esporte no país e administração precária;
Por tanto não venham culpar Oscar em si pelas mazelas do basquete e sua derrocada(NESSA O GRANDE CAMPEÃO AMAURI VACILOU, PERDEU O FOCO).

Enquanto isso Grego caminha de vento em polpa rumo a 2050.

Anônimo disse...

Cara ele se perde dizendo que ele fazia 50 e seu marcador faszia 60, não lembro de um jogo com o oscar em quadra que outro jogador foi o cestinha, não sou o maior fã do oscar,mas o cara era uma maquina de fazer ponto e isso ninguem pode discutir e mesmo ele nao marcando ninguem conseguia fazer mais pont que ele

Mr. Hill disse...

É, Fábio...

Infelizes declarações do Sr. Amaury Pasos, que perdeu uma (excelente) oportunidade de ficar quieto e comemorar o cinquentenário de um título histórico.

Infelizmente nem todos possuem a classe, elegância e distinção do querido Prof. Wlamir Marques. Este sim, sempre lúcido e cordial (porém não menos sincero) consegue manter-se acima destas bobagens.

Triste tb ver esse pessoal que frequenta o blog "espinafrando" o último jogador de basquete brasileiro que vestiu a camisa com amor de verdade, com paixão.

Estilos e diferenças à parte, as pessoas por si só são pontos de vista, não há muito o que debater neste caso.

Tudo o que o "novo" basquete brasileiro não precisa é disso.

Abços,

Mr. Hill

Pedro Ivo disse...

Amaury MUITO OBRIGADO...vc falou tudo que eu sempre quis sobre o Seu Oscar Ximiti...sempre detestei seu estilo de jogo!!! Individualista, egocêntrico e centralizador...péssimo de grupo!!! Não venha me dizer que ele conseguia levar o Brasil as Olimpíadas e a melhores colocações em Mundiais...NÃO DÁ PARA COMPARAR...são momentos diferentes..imagina a Argentina de hoje jogando naquela época? Isso o idiota do Oscar não fala...concordo que cada título tem seu valor...inclusive o Pan de 87 que o Oscar superestima...mas a análise do Amaury é verdadeira e pertinente...não que o marcador do Oscar fazia 60...mas sim que no time do Oscar só ele jogava (basquete inviável nos dias de hoje)...chutava 60 bolas...metia 10,12 e era rei...por intermédio de imprensa (es'tão querendo promover o Marcelinho a ídolo no mesmo esquema..né GLOBO), de técnicos e dirigentes coniventes e puxa-sacos...
PARABÉNS AMAURY...VC FALOU O QUE A MAIORIA DA COMUNIDADE BASQUETEIRA DO BRASIL PENSA...MAS NINGUEM NUNCA TEVE CORAGEM DE FALAR!!!

Gabriel disse...

Mr. Hill,
Como vc mesmo disse,os pontos de vista sao singulares e individuais e...usando suas palavras,"espinafrar" ou nao vai do ponto de vista tambem.
O mesmo ponto de vista que que consegue enxergar a grandeza onde ela existe ou nao.Vestir com "amor" a camisa da selecao nao eh tudo nao.
Infelizmente nao pude ver Oscar em seu auge,epoca em atuava na europa.Quando era menino acompanhei sua chegada com alarde ao Corinthians e o reinicio de sua jornada pelo basquete nacional.E,sem excessao alguma,so tenho lembrancas lamentaveis.A sua falta de comprometimento com o jogo me enojava.Tudo o que eu treinava todos os dias era o oposto do que se via em quadra pelos times brasileiros e,principalmente,nos times em que o Oscar atuava.Ao contrario de muito gente,eu nunca vi nada de espetacular em um jogador que faz 40 pontos de media e seu time perde.De que serve esse jogador?
O Oscar,como maior personalidade de nosso basquete sempre perdeu oportunidades de ajudar no crescimento da modalidade.Mas nunca perdeu uma oportunidade de investir em seu marketing pessoal.Ali sempre foi uma questao de ego,nao de jogo.

Douglas disse...

Sinceramente, acho que a crítica é pertinente e não vejo polêmica, apenas a opinião de um entendedor de basquete, e muito igual a de outros tantos! Todos aqueles que conhecem a parte tática e técnica do basquete, sabem que o "estilo Oscar" de jogar é antigo até mesmo para a sua época. Acho que toda essa exaltação em cima do Oscar, por parte dos brasileiros, vem da mídia, acostumada a fazer a equação futebol=gol, basquete=cesta, entre outras. Os estrangeiros vêm no embalo midiático, afinal ele é, sim, um produto da mídia. Quantas vezes já ouvimos falar que um técnico de futebol preocupado com o desenho tático da defesa é retranqueiro, joga feio, ou não deixa o futebol-arte prevalecer? Infelizmente, a nossa cultura nos diz que o ataque é a melhor defesa, e a expressão disso em números deve ser nas estatíscas ofensivas, afinal vibra-se mais com uma bola de 3 do que com um toco, ou um contra-ataque bem armado, proveniente de uma boa defesa... Concordo com o depoimento que diz que o Amaury também não é flor que se cheire, que é o sujo falando do mal lavado, porém tenho que, também, concordar com a sua visão: Não gostaria de ter um Oscar em minha equipe.

Sandro disse...

Respeitando as opiniões mas discordando alguns argumentos:


Pedro Ivo, eu te digo conseguiam sim classificar o Brasil para Olimpíadas, mas ocorre que o como vc bem sabe basquete é um jogo coletivo ao extremo, por mais que vc tenha um craque num time só ele não poderá fazer tanto.

O exemplo clássico disse é que até o "Deus" do basquete , o melhor de todos, Jordan, só conseguiu um títulos quando se formou, um elenco de apoio que tiveram entre outros Pippen, Rodman, Kukoc e cia sem a falar no técnico como Phil Jackson.

Eu digo isso porque ví(graças a Deus tinhamos a BAnd que mostrava tudo não só finais), enquanto o Brasil teve um bom elenco com Marquinhos, Carioquinha , Marcel , Adilson, Gilson depois Gerson, todos em grande nível, o Brasil sempre foi candidato a estar entre os 4 e 5 primeiros de cada competição seja Olimpíadas ou Mundiais São fatos é só vc fazer uma pesquisa ;
Ocorre meus caros que o que ninguém quer ver é que tecnicamente nosso basquete decaiu parou no tempo, mas por culpa na falta de investimento na base, NA FORMAÇÃO DOS TECNICOS, formação de talentos , enfim coisas que vcs estão cansados de saber.
Aí tenta-se se pegar OScar para bode expiatório. o que le tinha de melhor como os lances de 3 -
Não que ele seja perfeito entedem?

Gabriel o Oscar do Corinthians que infelizmente foi a partir daí que vc viu , era um Oscar de fim de carreira ,que em razão da mídia pobre em termos de basquete que a gente tem;
Infelizmente esse foi o OScar mais divulgado em Tv na últimas décadas e na tv e quanado surgiu a internet.

Reparem que isso não é culpa nossa ou de vcs, mas também não por culpa do OScar.

Eu pergunto o que se passa de basquete na mídia de 1987 para cá?

Não há uma cultura , de esporte na mídia sobre o basquete, desde de a geração de AMauri , Wlamir até o tempo que éramos respeitados,e digo isso um time que chega em 4º num mundial ficando atrás de EUA , Urss , e Yugoslávia como ocorreu em 1986 é ou não é um ótimo desempenho?
Acompanhei com cobertura de uma mídia que mostrava nosso esporte como Bandeirantes de Luciano do Vale e do Alvaro José que transmitia esse tipo de competição na tv aberta.
Mas a grande mídia de divulga isso, com o mesmo espaço que Indianópolis 1987? Claro que não.

Da mesma forma fomos bronze no mundial das Filipinas em 1979 com uma cesta contra o relógio de Marcel;
Fomos 4º na Olimpíada de Moscou (faltou os EUA é claro);

Infelizmente meus caros é a mídia que tem essa pobreza de exposição

Veja o exemplo dos EUA , com eles sabem reviver seus feitos , todos não o se prendem a um único(E OLHEM QUE ELES TEM MUITOS).

MAs a entidade máxima do Basquete coopera enormemente para isso , não tem uma história preservada, e se não tem um marketing bom para o basquete atual imaginem divulgação do passado;

Por fim Douglas a questão não é o espinafrar ocorre que o Amauri, foi de uma época em que não havia quase midia televisiva sobre o basquete, nem internet etc., então o conhecimento é pouco.

Isso já ocorreu com a geração Oscar, Masrcel , em eventos como Mundial como já falei acima, Imaginem na década de 50 e 60?

Amauri com razão tem mágoa dessa falta de consideração e reconhecimento , então há um certo ciúme, do que a mídia mostra em só falando do PAn de 1987 , coisa que não é justo nem sequer com a geração de Oscar e de MArcel , como se fosse só isso que eles conseguiram;

Enfim, para opinar a respeito dessas coisas é preciso ter acesso a informações que muitas vezes não estão disponíveis na mída de hoje;

Graças a Deus pude ver in loco jogos do Brasil de 1980 em diante até hoje, cansei de ver jogos na madrugada da Band, ao vivo e via como o Brasil era respeitado com Marcel, Oscar , Carioquinha , Adilson , Gilson e MArquinhos, depois Gerson;

Mas isso se compara as títulos sda geração Amauri e Wlamir, lógico que não.
Como disse Wlamir não se pode comparar épocas ,
Mas merece o devido respeito, quando nosso esporte estava em posição razoável.

PS- Desculpem o tamanho do texto , mas notem que eu não precisei falar só do Pan de 1987 .

Anônimo disse...

Sandro...Parabéns pelas colocações!!!Leigo

Gabriel disse...

Sandro,concordo com tudo o que vc disse.Analise solida desses tempos de decadencia no basquete.
So tenho um porem: Ali,quando vc diz que a fase "Corinthians", a que recebeu mais atencao da midia sedenta por eleger um heroi,fugiu ao controle do Oscar,que ele nao tinha culpa na maneira que era visto e retratado,eu discordo.Acho que ele cultivava essa imagem de "crazy shooter" e achava o maximo acabar os jogos com 50 pontos e o time perder.Ja vi mais de uma entrevista dele apos os jogos se isentando de qualquer responsabilidade.Ele desembarcou de volta por aqui disposto a reinar absoluto na midia e nas quadras.Era um pessimo companheiro de equipe,nao se envolvia com seus parceiros,egocentrico.Certa vez,fui assistir a um jogo do Corinthians e vi uma das mais emblematicas cenas:Bola ao alto,posse de bola para o time paulista,alguem passa para o Oscar,que,sem pestanejar,arremessa do meio da quadra.A primeira bola da partida!!!!
Entao acho que eh isso,ele tinha nocao do que estava mostrando,da imagem que projetava.
Abraco.

P.S:A bola nao deu aro.

Sandro disse...

Beleza Gabriel legal poder trocar idéia nesse nível:

Só que até citei que Oscar não é um cara perfeito;- Mas quem o é?

Mas não por isso temos que destruí-lo como ídolo, ou rebaixar seus feitos-(não só o famigerado e só mostrado Pan 1987);
Tivéssemos uma imprensa dedicada ao basquete/
Ou uma midia que expusesse a história integral do esporte;

E principalmente, enfim uma entidade que trabalhasse para preservar a história dos ídolos do esporte;

Certamente OScar , de fim de carreira não teria tanto destaque;
Mas ele não deixa de ser um ícone do esporte, só porque o Pan vale menos que um Mundial;

Que culpa tem ele que o sucesso dele no Sírio e na Europa que o levou a ser ídolo de Kobe e cobiçado pela NBA, não nos chega pela mídia igual ao PAn 1987;

Sabe porque não nos chega?
Porque não dá o Ibope do seu choro em Indianapolis;

Não precisamos dividir nossos destaques ou definir a posição que se encontra um com relação ao outro;

Num basquete tão pobre como o nosso atual há espaço de sobra para todos: Wlamir, Amauri, Oscar Marcel , Paula, Hortência,

Para resgatar a história e próprio esporte precisamos é trazer esses ídolos de volta par o esporte pois eles tem exemplo de atleta dentro e quadra e uma história vitoriosa que os jovens de hoje sequer tem conhecimento;

Nenhum país consegue ser grande num esporte se não resguarda sua história e homenageia seus ídolos e sua história.

A CBB tem medo se se afasta dos nossos ídolos pois eles como Wlamir Oscar não tem papas na lingua não devem favores a CBB como muitos (até na mídia);

Então para CBB melhor que fiquem degradeando e que eles fiquem se degradiando entre sí;

O que não pode somos nós fãs do esporte entrar nessa pilha;
Abraços

Alberico Nepomuceno disse...

Oscar arremessava tantas bolas queria pq ele mesmo montava as equipes dos clubes e das selções onde jogava...nenhum jogador era contratado sem a aprovação dele...essa regra se aplicava muitas vezes a quem seria o tecnico

Esse amor todo, que diz ter, pelo basquete brasileiro, costuma ser mais efetivo, qdo as cameras de tv estão ligadas

Qto a titulo mais importante...Perguntem ao Romario qual copa foi mais importante a de 1970 ou a de 2004...gosto e ponto de vista não se discute...se lamenta

Gostemos ou não, Oscar é um icone do basquete...e é bom guardarmos a parte posistiva dele para incentivar as futuras gerações

O movimento de arremesso dele é perfeito...não precisamos mostrar a quantidade de bolas arremessadas e nem seu egocentrismo.

Fiquemos com o que é bom.