sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Todos os olhares

O personagem principal do confronto da próxima terça-feira é Rubén Magnano. Pode-se falar em Tiago Spliter x Luis Scola, dois excelentes jogadores que possuem um punhado de qualidades (atuar sempre pelo time nacional, por exemplo), pode-se colocar o nome de Leandrinho e Delfino na pauta (ambos buscam afirmação), mas não há como negar: o técnico argentino será o centro das atenções até lá.

É óbvio que o coração do campeão olímpico estará balançado. Ninguém aqui é juvenil para acreditar em profissionalismo/racionalidade a 100% - sem um pingo de emoção. Ninguém duvida de que Magnano buscará a vitória para o Brasil, mas até o Björn Borg (conhecido pela sua frieza numa quadra de tênis) sentiria algo se jogasse contra a Suécia.

E tem mais. Muita gente acha que é uma vantagem o fato de Magnano conhecer praticamente todo o elenco dos rivais. É uma parte da verdade. A outra é que Sergio Hernandez conhece o técnico brasileiro muito bem também. Além disso, todos os atletas se conhecem há anos, muitos anos - as bases são as mesmas desde 2002, para dizer o mínimo. Para mim, sinceramente, fica tudo no 0 a 0 portanto.

O coração de Magnano pode sangrar um pouco, mas todos os olhares da partida estarão parados nele na próxima terça-feira. Principalmente na hora do hino. No momento daquele refrão argentino...

3 comentários:

Anônimo disse...

"Principalmente na hora do hino. No momento daquele refrão argentino..."

Hauhauahu. Agora vc sacaneou com o cara. Depois dessa não vai ter um cinegrafista brasileiro que não vai apontar a lente pra cara dele...


Heverton Elias

raul d'avila disse...

Magnano recebe salário de brasileiros, mas não deixou de ser argentino. Tem de ser respeitado por nós pelo seu trabalho na modalidade nacional. Vai dirigir bem o Brasil e vai se sentir desconfortável, mas vai trabalhar bem.
Não tenho medo de dizer: A nível mundial, hoje a Argentina é favorita. Tem o time mais rodado. Mais testado. Jogadores com mais experiência para estes momentos e tem Scola.
A nível regional me parece que o Brasil , hoje, reúne melhores condições para sair vencedor, com dificuldades, muitas dificuldades.
Qual a base para esta afirmação? Estas: Melhor distribuição entre os pontuadores, melhor marcação, mais velocidade. Tem ainda um elenco maior de possibilidades ofensivas. Se Varejão se recupera bem, Marcelinho mantiver o mesmo nível de arremesso e o Marquinhos contribuir ofensivamente, mesmo com Scola em seus melhores dias, dá Brasil. Mas tem que marcar "hasta la muerte" e "Jugar a morir", como o respeitabilíssimo adversário gosta de dizer, e pior, de fazer

Anônimo disse...

A lente ja seria apontada de qualquer jeito.
Magnano tem a chance de realmente provar que esta entre os melhores, mesmo na Argentin se diz que ele teve a sorte de estar na hora certa no lugar certo, que o que importava realmente era o grupo magnifico que ele teve o prazer de dirigir.
Ai esta sua chance, vamos ver quem e melhor Magnano ou Hernandes, e será que esta comparação e justa.