quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Mais e menos

Depois da ótima fase de preparação da seleção masculina (a CBB merece elogios pela estrutura e pelo número de amistosos contra adversários de nível), coletei dados, revi alguns momentos e coloco, abaixo, os pontos positivos e negativos do time de Rubén Magnano até aqui. A estreia no Mundial acontece no sábado, às 15h30, contra o Irã.

PONTOS POSITIVOS
1) Não resta dúvida: a defesa melhorou demais. Não será a peneira que vimos nas últimas competições.
2) Marcelinho Huertas (foto à direita) é um baita armador. Mostrou estar maduro e pronto para comandar o time. Merece mais crédito do que tem, diga-se de passagem.
3) Marcelinho Machado se adaptou bem à condição de reserva. Sem forçar arremessos ou ataques de estrelismo, deve contribuir demais. Tomara que continue assim.
4) Tiago Splitter é excepcional. Ainda em busca da melhor forma, contra a França ele dominou o garrafão e pode evoluir ainda mais.
5) Se o ritmo do ataque ainda não é tão fluído quanto a gente deseja, ao menos os desperdícios de bola diminuíram (ontem foram apenas dois no segundo tempo). É óbvio que a qualidade dos atletas influencia, mas a insistência de Magnano neste quesito rendeu frutos.

PONTOS NEGATIVOS
1) Sem querer ser chato, mas os tiros de três ainda incomodam muito. E o pior: o excesso não vem porque os brasileiros estão livres. É vício mesmo. Falta variação de jogadas a quase todos os alas da seleção.
2) Leandrinho (foto à esquerda) ainda não entrou no espírito coletivo que Magnano tanto prega. É sempre o jogador que mais arremessa, e quase sempre o faz de maneira atabalhoada e desequilibrada. Se quiser se transformar num grande jogador, precisa atuar de forma consistente e altruísta.
3) Murilo até que foi bem contra a França, mas o banco de reservas brasileiro só conta, de fato, com três bons valores: Marquinhos, Marcelinho e Giovannoni. Pode ser pouco.
4) Devido às 456 lesões durante a fase de preparação, a forma física de nossos principais atletas (Huertas, Varejão e Splitter) não é a ideal. Com o elenco completo, infelizmente o Brasil não foi testado.
5) Isso também é repetitivo, mas é verdade: Splitter e Varejão poderiam, e deveriam, ser mais explorados pela seleção brasileira.

E você, o que achou? A caixinha é toda sua!

31 comentários:

bigmanrj disse...

Como estou de recesso até a volta da próxima temporada da NBA, vou curtindo a minha ociosidade com o Campeonato Mundial, especialmente com o Brasil. Já pus em mente que não adianta querer chamar urubu de meu bem, mas fico sonhando como os jogadores do tio Magnano poderiam jogar.
Tenho visto alguns jogos amistosos, onde fica nítida a diferença de uma equipe bem estruturada com jogadores acostumados com o basquete em nível mundial e ricos de leitura de jogo e fundamentos.
A principal mina de ouro do basquete praticado por quem é capaz está nas posições 1 e 2 com algum apoio na posição 3, onde os armadores precisam chutar muito bem.
Huertas tem como principal função organizar a equipe, isso todo mundo sabe, mas bem que o seu arremesso poderia ser mais confiável. Ter a capacidade atlética para uma infiltração ele não possui, mas seu balão dentro do garrafão é muito bom. Nestas ocasiões o ala-pivô poderia acompanhá-lo nestas idas e dando-lhe uma opção de passe.
Meu raciocínio esta em cima do 5x5, que é situação de ataque que as equipes mais encontrarão.
Leandrinho teria de possuir, como principal função, um exímio chute de média e longa distância. Entretanto, ele é muito fraco neste quesito. A única coisa que ele sabe fazer melhor é disputar com o papa-léguas o título de mais veloz do mundo. Sua insistência nas bolas de 3 tem me irritado há 2 anos e. Sua leitura de jogo precisaria ser um pouquinho melhor. Ele deveria, através da sua velocidade, passar seu marcador, optando por 3 alternativas: ir para a cesta efetuando sua bandeja, dar uma travada e chutar dentro da cabeça do garrafão ou procurar o lateral aberto na zona morta. Isso teria de ser a sua tônica na partida, ao invés do passinho pro lado e o chute de 3 no aro, na maioria das tentativas, ou suas infiltrações a La seja o que Deus quiser largando aquela bola lá no alto da tabela. Alguém poderia avisar isso a ele, já que ele não possui discernimento para entender sozinho.
Marcelinho Cagão livre, equilibrado, nas bolas de 3, faz o seu melhor papel. Confesso que ele tem me surpreendido com a sua aplicação defensiva e flutuações embaixo da tábua ofensiva. Não dá pra pedir além. É claro que sempre tem aquela estória de quando o adversário é forte e o jogo é decisivo, ele desanda a fazer suas caquinhas e mandar seus crazy jumps desequilibrados, mas é para isso que o banco existe.
Uma equipe que tem pretensões de ganhar bem de Eslovênia, Croácia e passar pelas 8as, precisa ter bons arremessadores de média e longa distância e só considero o Marcelinho Cagão, quando livre, um arremessador de segurança. LB, Huertas, Alex, Marquinhos, Guilherme, Nezinho são fracos, talvez mediocres.
Variações ofensivas do tipo: bola dentro do garrafão, atraindo a dupla marcação e voltando de mão em mão, no perímetro, até encontrar o jogador livre. Infiltração e assistência dentro do garrafão para o pivô ou lateral, jogar com o pivô fora do garrafão abrindo espaço, troca de jogadores adversários, deixando o jogador de força com um pequeno dentro do garrafão ou um armador com um grandalhão no perímetro, ou até mesmo, forçar as jogadas em cima do jogador carregado do time adversário. Certo. Seria muita pretensão de minha parte.
De qualquer forma, sonhar não custa nada e enquanto vejo nosso time pegar experiência para o Pré-Olímpico, vou me deliciando com as variações ofensivas de Espanha, Argentina, Turquia, Grécia, Lituânia...

Colin Foster disse...

De ponto positivo fica também o entrosamento entre Huertas e Splitter. O pick n roll deles é fantástico e a habilidade e agilidade que o Splitter tem são dignas de um lateral.

Vejo, no entanto, o Brasil jogando muito longe da cesta, quando está sem o Huertas, armando as jogadas muito afastado, quase no meio da quadra. Falta agressividade e qualidade na posição um. Tiveram momentos que, numa troca de marcação, o Nezinho foi empurrado pro meio da quadra por um pivô de 2,10m...

E a precipitação só parece menos louca pq temos o Magnano no banco, mas é bem parecida com a que o Brasil teve nos últimos 15 anos... O Alex não tem mais a explosão dos tempos que o levaram à NBA, mas ainda assim tem uma explosão muscular acima da média, e não utiliza isso, fica com inúteis chutes de três.

Falta equilíbrio, e não há Magnano que resolva em um mês. Atropelando as duas babas do grupo, e dando ritmo aos que estão voltando de lesão, podemos pegar bem Eslovenia, Croacia e EUA, e garantirmos a segunda vaga do grupo pelo menos. A partir daí, espera-se já ver um time mais equilibrado.

Não é só com senhores jogadores que se ganha um título. O time brasileiro é bom, precisa de evolução coletiva. Torçamos!

Diogo Aquino disse...

Sinceramente, não em iludo mais, todos aqui falam sobre como o time tem qualidades e poderia jogar em alto nível se tivesse maior consiencia de suas limitações.

Mas infelizmente isso não vaia contecer neste mundial. Defato veremos o time naufragar a cada minuto de descanso de Huertas, veremos o Leandrinho forçar arremessos e preciptar infiltrações impossiveis, bem como veremos Alex, Giovannoni e Marcelinho Chutando da linha de 3 mais do que deveriam. E o pior de tudo isso, é que veremos Thigo Splinter e Anderson Varejão sub-utilizados no mundial.

A mudança do Brasil, passa por uma mudança de mentalidade esportiva, passa por uma mudança na produção de atletas nas categorias de base, passa pela introdução de um jogo coletivo como base da formação esportiva, não como um estilo alternativo de jogo.

Claro que na Turqui notaremos mudanças, mas particular mente, não acredito que da pra sonhar com al mais que as oitavas.

Quem sabe Magnano tenha chegado a tempo de nos levar as Olimpiadas? Porque para disoputar o Mundial de igual pra igual com as boas seleções acho dificil.

Anônimo disse...

Dúvidas pertinentes:
Para que serve JP e Raulzinho?
Pq nezinho arma quase da linha do meio campo?
Pq Leandrinho infiltra tão pouco com um arremesso esquisito e sabidamente não dos melhores?
Murilo não será melhor opção do que Guilherme, afinal, pra que pensar em um ala pivo que sabe chutar de 3 se tudo o que mais queremos ver é menos chutes de 3?
Não teria sido precipitado o corte de Nenê, que, em tese, poderia jogar a segunda fase?
Gustavo.

Anônimo disse...

Infelizmente o Magnano sucumbiu a forca dos jogadores.
Estamos vendo um jogo burocrático e triste no ataque, com chutes precipitados nos últimos 5 segundos por falta de objetividade do ataque.
Com um ataque medíocre,aparece o Salvador da pátria Marcelinho,que percebendo a insegurança das jogadas esta jogando igual como joga no Flamengo.
Bom para ele e ruim para o Brasil.

Jose o troll

jdinis disse...

Como ponto negativo (já esperado), o Brasil "dasaba" quando o Huertas sai do time ou não está muito bem.

Splitter em forma e jogando muitos minutos também é fundamental para o jogo ofensivo fluir. Sem ele o nosso time é previsível e sem opções.

jdinis disse...

Mais um ponto positivo para o Marcelinho Machado: o site solobasket destaca o fair play do jogador que não criou confusão mesmo após ser pisado propositadamente no rosto por um jogador da Costa do Marfim. Mandou bem o Marcelinho!

http://www.solobasket.com/contenidos/bonita/muestra/fair/play/marcelinho/machado/tras/recibir/pisoton/eric/tape/cabeza/brasil/costa/marfil/c-25146.html

Rafael disse...

Concordo com o Collin Foster sobre o picknroll da dupla Huertas/Splitter !

Gustavo, vc já pensou na hipótese do Denver ter ligado e solicitado ao Nene que não jogasse ?? Visto que a tal contusão não regredia ???

Jdiniz, tb com o tamanho dos caras vc queria que o Marcelinho fizesse o que ?? Rs rs... Imagina se isso acontece no NBB e é o Alex quem pisa !?!? Brincadeiras a parte, mandou bem o Marcelinho !!

Márcio-33 disse...

Concordo com os pontos positivos e os negativos, só discordo do que diz respeito aos reservas, o Murilo ontem entrou e substituiu muito bem o Varejão, pontuando e pegando varios rebotes.
Marcelinho vem sendo o pilar do time no ataque e ainda esta marcando e roubando bolas.
Acho que falta para o brasil ofensivamente falando, um pouco de High Low entre os pivos, e também o que é basico no basquete corte para o aro bandeja ou passe para fora(Leandrinho).
Mas com todos os defeitos nã apanhamos de ninguém nos amistosos, todos tiveram oportunidade de jogar e a preparação foi muito boa, agora é esperar pelo desempenho no mundial.
EU ACREDITO!!!

Anônimo disse...

Para quem acompanha o basquete mundial, não era dificil se saber o nivel dos jogadores que atuam fora; os que atuam no Brasil, a grande dificuldade era saber como eles jogariam contra adv. de nivel médio, ja que no Brasil so se atua no adulto em baixo nivel.
A grande duvida que nos restava era Magnano, em sua carreira teve grandes conquistas, mas com um grupo de craques destinado a grande conquistas.
Não adianta sonharmos com alas fazendo grandes infiltrações, não foram formados pra isso, torçamos pra que eles se esforcem e continuem evoluindo na defesa e tentem jogar errando o minimo possivel.
O time esta ai, minha torcida e grande, emboraa infelizmente saibamos que poderiamos ter pelo menos duas pessas de reposição melhores no banco.
Dos atletas que vão, torço muito para que o Leandrinho acorde, e saia do que apelidei de ¨limbo de luxo¨a qual ele se acostumou na NBA, e volte a ter a chama de querer ser um dos melhores do mundo.
Que Raul aproveite o passeio, pois embora tenha muito talento, não ha nada que possa oferecer a seleção por enquanto.

Anônimo disse...

Boa resposta Rafael, não tinha pensado nisso, esqueci que além do Nenê (e sua provável, mas não manifesta, má vontade), e a CBB, existe ainda o Denver, que certamente não vê com bons olhos a participação do jogador, e se considerarmos que o mesmo foi muito criticado por sua apatia ofensiva e defensiva na eliminação do Denver, chamado por diversas vezes de Softy, faz todo sentido sua explicação. Agora armador quase do meio da quadra armando jogo com a munhequinha quebrada não dá né. Tem coisas que não explicação. Abraços, Gustavo.

raul d'avila disse...

O jogo do Brasil é só na periferia, com baixo aproveitamento nos arremessos. A armação é fraca. Mesmo com Huertas perdemos por exemplo para a Autralia, neste quesito. Se consideramos EUA, Espanha, Sérvia, Grécia, Argentina, Turquia e mais um, ficamos na dependência de ter que vencer os dois adversários medianos da chave, perder para os EUA e torcer para ganhar mais um jogo, apenas para não repetir o vexame de quatro anos atrás. Magnano deve ser perguntar: "Donde jo fue laçar mi burrito?", Raul D'Avila

Rafael disse...

Acredito muito que tenha sido isso, Gustavo !
Corre "por aí" que o Baskonia azucrinou o Huertas... imagina o Denver !!! O Huertas teria batido o pé, já o Nene, com sua provável, mas não manifesta, má vontade... rs

Anônimo disse...

Fico preocupado com os reservas e com o Leandrinho, que na minha opinião não sabe jogar coletivamente.

Anônimo disse...

Vejam so, tirando Huertas, nossos armadores (carregadores de bola) e laterais não sabem jogar com eficiência o jogo coletivo, e não ligam de ter porcentagens baixas em varios fundamentos, como lances 2/3, passes e defesa, nossos pivos ficam solitarios no garrafão, afinal quem mandou nascer grande.
Em cat. de base o que vejo, times que tem jogadores que chutam 15 bolas pro jogo, que estao vencendo partidas com folga e de repente se perdem em correrias e arremessos, que tem medias de rebote ridiculas, armadores que se não pontuarem legal vão pro banco, ai quando o jogo acaba o tecnico ainda diz, perdemos pois nosso ataque não funcionou.
Foi nestas bases que nossos atletas foram moldados, vendo isto eles ate que fazem muito.

Anônimo disse...

Completando o comentario das 10:09,
na defesa os tec. cobram postura e vontade.
Mas sem fundamento, quem não sabe não faz.

Anônimo disse...

O Magnano no jogo com a França não colocou nezinho nem raulzinho. Ou seja fez um escalação que desde sempre eu ja sabia. Não era necessário levar mais um armador, era só colocar leandrinho ou alex na armação e levar mais um ala( tavernari) que seria mais útil. Agora levar Jp para es
quentar banco não faz sentido , antes levasse o Nene e esperar a melhora ou levar o Hatila que pelo menos tem altura.Discordo, que Murilo não tenha nível bom, acho ele mais ágil que o varejão .Enfim vamos começar o Mundial com 9 jogadores praticamente, um lastima.

Anônimo disse...

Mas isso não é culpa do Magnnao. Na verdade tempos poucos jogadores capazes de atuar em alto nível, a falha é da formação de bons jogadores em número suficiente. Acho que 9 é até generoso, não consigo enxegar mais do que 7 nessa seleção. Retiro Alex e Marquinhos que, para mim, são bons apenas em terras tupiniquins. Abraços, Gustavo.

Anônimo disse...

Bons amistosos?Preparação adequada?
Como estamos numa democracia discordo complatamente de vc bala.
O que os incopetentes da CBB fizeram foi um grande carnaval, repito a CBB parece uma agência de viagens.
Jogar contra a Costa do Marfim?fazer uma preparação em Brasília para fazer jogo político?
Não recuperação de Nene em um mês?
Posso até me enganar mas a participação nossa será um fiasco.Reflexo da má administração, que faz miséria com o nosso basquete.
Abraços Flávia

Anônimo disse...

Concordo com vc Flávia e pior acho que eles viajam como vemos no site da CBB pra única e exclusivamente LAVAR DINHEIRO.JAIR

Anônimo disse...

Por falar em site, O que é isso, que site é aquele?Uma vergonha.
O site ser ruim não é nada, pior são as reportagens, fracas, cheias de erros, sem criatividade nenhuma, sempre a mesma coisa, Parece Control C e Control V, e isto não é de hoje, acompanho há anos.

Anônimo disse...

Acho o site da CBB um atraso, apesar que desde o início deste anos tinha dado uma melhorada, mas acho que falta muita criatividade a quem escreve.As matérias são realmente meramente informativas e com fotos muito ruins. Devem tirar as fotos com celular eu acho.

Anônimo disse...

Olha gente vejo as fotos do Globo.com e Terra sobre basquete e vejo que a CBB precisa urgente de um fotógrafo. Não dá pra colocar fotos do celular lá mais, deviam colocar em seus blogs, mas no site?

Anônimo disse...

Incrível estamos nas vésperas do Mundial masculino e não vejo uma entrevista do presidente ou de alguém no site da CBB sobre a Turquia.Isto sem falar que o Mundial Feminino se aproxima e eu sei de alguma coisa só pelo blog do nosso Bala.

GUGA disse...

Para de ser MALA Balassiano, fica falando de contusão todo santo dia...me diz uma seleção com jogadores 100% nesse mundial que eu me calo pra sempre...todos estão em final de temporada e sem descanso...pare de ser repetitivo.


Sobre o Nene, ele é uma laranja podre para o grupo, acho que a contusão dele caiu como uma luva para o Mangano que já não aguentava mais o corpo mole e a má vontade dessa MALA SEM ALÇA...

fábio balassiano disse...

flavia, entendo seu ponto, mas a seleção enfrentou espanha, argentina, austrália e a frança. quantas vezes isso aconteceu no passado?
sinceramente, não sei.
óbvio que tudo pode melhorar, tudo mesmo, mas achei um baita avanço.
só isso.
sobre o site, é muito ruim mesmo.

abs, fábio

fábio balassiano disse...

guga, acho que você não conseguiu ler o que disse.

por que "mala"? só relatei que o fato houve lesões, ora bolas.
quanta falta de educação e raivinha boba, hein...

abs, fábio.

Anônimo disse...

Estranho,muito estranho...Antes tinhamos excelentes jogadores mas nossos treinadores eram fracos...agora temos o "top dos treinadores" e os nossos jogadores são péssimos...o que mudou?

Márcio-33 disse...

O Brasil jogou contra dois candidatos a titulo Espanha e Argentina, times intermediarios França e Australia e um ruim! Fez bons jogos, com erros e inseguranças de quem não tinha o entrosamento ideal, a cada jogo o Magnano pode ter certeza de quem ele vai poder contar na hora do "vamo ver" e traçar uma estratégia para o mundial. Por isso foi uma excelente preparação.
Todo jogo se joga para ganhar mas em amistosos a vitória é o que menos conta e é obvio que aqueles ditos titulares não jogam a 100%.
Desde que começaram os comentarios sobre o mundial a euforia tomou conta do meio, mas para um time ser campeão num torneio mata-mata, tudo tem que dar certo independente de quem tem o melhor time, e é por isso que o basquete é legal. Acho que o Brasil pode surpreender no mundial, mas também pode não chegar a lugar nenhum. Não acredito que se possa pesar o trabalho do Magnano por este campeonato e sim em um ciclo onde haja tempo de implantar um novo meio de o brasileiro enchergar o jogo de basquete. Ai sim podemos medir a competencia do Argentino.


Abraxxx

Anônimo disse...

Amigo não adianta querer mudar a estratégia se quem está na admistração, prep.física, fisiot., auxiliares e inclusive presidente faziam parte da "VITORIOSA" era GREGO que arruinou o basquete aqui.O presidente atual NUNES era vice do GREGO, ora,ora.ora.....tá ai o xis da questão. Só vai mudar quando sair esta laranja podre que tem vários gomos.Abraxxx
Alex Tassiuo

raul d'avila disse...

A situação é a seguinte: Tempos poucos jogadores. Temos poucos joadores de qualidade e temos poucos jogadores de muita qualidade. Mas os temos. Tudo isso é resultado de anos de descaso com o basquete, por parte da própria CBB. Há quantos anos a Argentina começou a sua recuperação? Faz tempo, lá no tempo do Vecchio. Es seguiu, até o Magnano e o Hernandes. Tem ótimos jogadores. Tem um padrão nacional. Tem uma escola de técnicos. Tem uma formação preparada para o alto nível.
Como a maioria de nossos jogadores carece de fundamento desde a base, não aprende marcar, mesmo no NBB nossos times fazem alegorias. Continuam com suas atiradeiras. Como não marcam, não exigem fundamento, nem o drible anates da recepção, nem a movimentação. Aí ficam rodando a bola até quase no estouro. E isto éigual em todos os times.
Tem que mudar desde a base. Começar a formar grupos de jovens com escolha física e técnica criteriosíssima. Ensinar o fundamento e exigir a marcação desde os primeiros passos. Isto melhorará as condições dos jogadores e exigirá mais de times e técnicos. Mas tem que trabalhar e ter uma política duferenciada, reestudar a modalidade , buscar novas fórmulas. Novos campeonatos para a garotada. Formar centros regionais, no Sul, Centro Oeste, Norte e Nordeste, como se fazaia na antiga Iuguslavaia, que gerou 3 fortes sseleções e maisi duas boas, com o que restou da estrutura anterior. Só assim saiaremos fo mesmismo. Maganano faz o que pode. Tem p9ucos jogadores de alta qualidade e vai ter que usar o que tem, 7 ou 8 nos momentos mais importantes e que os santos defendam a coxa do Tiago, o tornozelo do Varejão e o joelho do Huertas. Agora demos as mãos, façamos um acorrente, todos nós o oremos irmãos.