segunda-feira, 29 de junho de 2009

Saldo positivo

Terminou neste domingo a primeira edição do NBB. Não dá para dizer que foi o primeiro campeonato independente do Brasil, porque houve a NLB, do Oscar, mas o torneio organizado pela Liga Nacional de Basquete, com Kouros à frente, teve o mérito de unir paulistas, cariocas, mineiros, gregos e troianos em torno de um ideal só. Este foi um grande mérito, assim como ter conquistado o apoio da Rede Globo foi outro. Aqui, porém, vale um alerta: apoio é uma coisa. Submissão, outra.

De todo modo, é muito óbvio perceber que o basquete cresceu. Houve mais espaço na imprensa, mais presença do público nos ginásios, patrocinadores que voltaram a aparecer e jogos transmitidos na televisão fechada com constância. Ponto para a LNB!

Por outro lado, Kouros e todo mundo sabe que muito há melhorar. A parte de comunicação e marketing dos clubes é deficiente, a qualidade técnica do espetáculo ainda é sofrível e a própria Liga precisa buscar outros patrocinadores/parceiros que não a Rede Globo. Neste momento de "ebulição", não faz o menor sentido ficar preso a uma instituição só. Que a turma busque um patrocinador de material esportivo, uma agência de viagens, uma empresa de alimentação, uma rede de hotéis, sei lá. Quem não gostaria de associar a sua marca com um evento que tem trânsito livre na emissora de maior audiência do país?

E você, curtiu a primeira edição do NBB? A caixinha, para críticas, elogios ou sugestões, está aberta!

12 comentários:

jdinis disse...

Para uma Liga que, no seu início, questionava-se se chegaria ao final, se o Sportv deveria ter a exclusividade ou se iria transmitir mais do que uma partida por semana, se seria melhor do que com a CBB, etc., o resultado foi excepcional.

Uma coisa legal que faltou citar foi o repatriamento de jogadores como Baby, Alex e Murilo. Imaginem o nível sem eles.

Tem que melhorar? Óbvio que tem, mas o momento é elogiar e indicar caminhos para a melhora.

A maior exposição do basquete pode atrair patrocínios e investimentos que, bem gerenciados, cria um "círculo virtuoso" (parece frase do Hélio Rubens). O momento é bom, se será bem aproveitado é uma outra estória.

Agora, algo que piorou muito foi a arbitragem. Antes reclamávamos do nível técnico dos jogos, mas não da arbitragem. O que ocorreu?

Outra coisa: as rivalidades não podem se transformar em pancadaria (como foi a final). Os jogadores tem de ser minimamente profissionais, não amadores que querem vencer a qualquer custo.

Se eu gostasse de "porrada", assistia o Vitor Belfort, Wanderley Silva, os Gracies, etc. Esses praticam um esporte em que pancadaria faz parte do "menu" e, como o nome diz, Vale Tudo. Basquete é outra coisa!

Sds.

Técio Martins disse...

Se não me engano, Bala, a Globo tem os direitos exclusivos de transmissão por um bom tempo. Não tenho certeza.

Quanto ao campeonato, não foi lá da melhor qualidade, todos sabemos, mas é inegável que os jogadores se doaram em quadra e superaram imensos obstáculos. Falta muito pra se chegar onde queremos, porém temos que aplaudir de pé quem deu início à caminhada.

Anônimo disse...

e patra completar o SHOW, vemos o Chupeta (tecnico Bi-campeão) dizer que parte importante da conquista é o ALHO que ele carrega nio bolso, e fica descascando......

ONDE ESTAMOS???? ISSO É BASQUETE?????
....com certeza, não o esprte que eu e muito de nós AMAMOS!

Anônimo disse...

Foi uma primeira experiência, e exatamente por isso tem que se avaliar o saldo, e não se já está tudo certo. É preciso tempo para acertar em tudo, mas o caminho já está pavimentado. E de agora pra frente não é mais uma estrada esburacada. O saldo é extremamente positivo. Para isso começar a refletir em quadra, ainda vai demorar uns anos.

fábio balassiano disse...

Técio Martins, os direitos são de 10 anos mesmo!
o kouros admitiu isso na entrevista aqui do lado.
olha lá:
http://balanacesta.blogspot.com/2009/03/voz-da-lnb.html

abs, fábio

Anônimo disse...

Antes a globo com o Sportv pagando e ajudando o Clube que a ESPN que queria transmitir de graça.

Anônimo disse...

Bala,
Parabens pelo seus comentarios, mesmo que acidos.
O que vale neste momento é olhar para atras,analisar o presente e planejar o futuro.
Parabens a LNB,Globo,Clubes e jogadores.
Tecnicamente jogo fraco , porem quem esteve na Arena foi lindo,eletrizante e a emoçao fortissima.
Digna de uma final,o emocional cooreu solto.
Quanto nao ficar preso a Globo, nao entendo?
Ela superou todas as expectaivas do combinado e ainda por cima acreditou no projeto.Por que a LNB trocaria?Parabens a Luiz Fernando Lima que acreditou no nosso esporte.

fábio balassiano disse...

anônimo, concordo. a globo ajudou e muito. mas a lnb nao pode é "sentar" em cima da tv, entende?
precisa andar junto com ela. e não esperá-la para resolver tudo apenas.

abs, fábio

Luiz Eduardo disse...

Quando morei em Araraquara, fui assistir um jogo do time local (Uniara, na época) contra o extinto Coc de Ribeirão Preto, o qual tinha em seu elenco os jogadores Mineiro ( esse que atua no Brasilia) e o Paulão Prestes.
Hoje comparar os dois é piada, mas pergunto:
Se os destinos fossem invertidos - Mineiro na Espanha e Paulão aqui - a condição técnica também se inverteria?
Quem conhecer a capacidade técnica dos dois, por favor me esclareça.
Acho um absurdo, um jogador como o Mineiro (2,13m e jovem ainda) não ter nenhum fundamento e ter uma condição física - motora tão precária! Um desperdício!
Abraços

Anônimo disse...

Como uma demonstração do que está para vir, foi um bom campeonato, principalmente a fase dos playoffs. Acho que a NBB deve sempre buscar a melhora, e não se acomodar com o apoio de emissora de televisão - a liga tem que ser boa, independente de trasmissão ou não, afinal o público que assiste no ginásio também merece assistir jogos de qualidade.

Anônimo disse...

Pq os paulistas foram tão mal?

Victor Dames disse...

Isso da TV tem que ser usado a favor, e não contra. Se a Globo quiser e achar interessante, ela negocia essa exclusividade, extendendo os direitos para outra emissora. Como faz com a Band no futebol.

O que a LNB tem que fazer e lançar mão da presença de um parceiro comercial de peso como a Globo para atrair investidores interessados na exposição da marca. Por mais que Eles insistam em chamar a HSBC Arena de Arena da Barra, foi um festival de exibição da marca do banco na telinha, já que está espalhada por todo ginásio.