domingo, 10 de outubro de 2010

Parabéns ao vôlei

Estou longe de casa, mas ouvi uma gritaria estranha perto de mim. Eram os "vizinhos" comemorando o título do vôlei masculino - o tricampeonato mundial. Parabéns ao técnico Bernardinho e aos sensacionais atletas. Mas felicitações sobretudo à CBV, que deu condições para que jovens altos, inteligentes e fortes optassem pelo vôlei e não pelo basquete - Vissotto, por exemplo, tem altura de pivô.

20 comentários:

Anônimo disse...

VÁRIOS OUTROS "VISOTOS" PROCURARÃO O VOLEI AO BASQUETE APÓS ESTE TITULO... A TENDÊNCIA É SÓ ESTA AGORA.

Anônimo disse...

lógico, se alguem aki fosse jovem e alto iria optar por um esporte organizado, campeão, que paga salarios (no brasil) melhores; ou um desorganizado, derrotado e que os salários são ridículos e que sempre atrasam?

Jander Marques disse...

Continuando com o Vissoto, ele esta voltando para o Brasil depois de jogar o campeonato Italiano. O compeonato brasileiro e de ótimo nível e os times tem condições de pagar bons salários. Os jogadores quando se encontram na seleção, já se conhecem do campeonato brasileiro e já estão acostumados ao padrão de jogo, sem contar que eles estão com os fundamento em dia (eles treinam isso, exaustivamente, nos clubes). Será que não da para aprender nada com o volei CBB?

Anônimo disse...

O estilo de jogo do voleibol brasileiro - bolas rápidas nas pontas, bloqueio efetivo, defesa e contra-ataque - são copiados pelo mundo inteiro. Diferente do Basquete que todo mundo desdenha - ataque sem trabalho de bola, arremessos desiquilibrados, sem defesa, dentre outros problemas. Não há comparação... infelizmente!

Anônimo disse...

O estudo e empenho dos técnicos brasileiros criaram este estilo de jogo no voleibol, com bolas rápidas como citado. O voleibol brasileiro é conhecido no mundo todo por seus aspectos táticos moderníssimos. O Basquetebol parou no tempo e o pior de tudo é que os técnicos não admitem esta falha... vide quando Hortência falou da desatualização no feminino. A NBB está chegando há mais uma edição e o que mais vamos ver são times desorganizados taticamente, com os jogadores fazendo o que querem em quadra...

Anônimo disse...

Hortência falou em desatualização???? Ela estava por anos afastada do basquete e não sabe nem o que está acontecendo!
É fácil demais falar dos técnicos e das atletas!!!
Nosso problema é estrutural, não temos organização, dirigentes capazes e comprometidos... o resto é apenas consequência!!
Bernardinho e Zé Roberto são extremamente capazes, mas coloca os dois para trabalhar como técnicos numa estrutura tipo Senegal... não conseguiriam fazer nada! Pois foi o que os nosso dirigentes conseguiram fazer com o nosso basquete, transformá-lo em algo como o Senegal.
Aí vai aparecer uma dirigente incompetente e arrogante de Senegal e dá uma entrevista dizendo que os técnicos de lá são desatualizados!!
Vou usar letras garrafais para reafirmar: O GRANDE PROBLEMA DO NOSSO BASQUETE É ORGANIZACIONAL, OS DIRIGENTES SÃO PÉSSIMOS, NÃO TÊM VISÃO E ADORAM APARECER AO INVÉS DE TRABALHAR PARA MODIFICAR A REALIDADE

fábio balassiano disse...

Pessoal, estou lendo os comentários aqui e Gostando
Do nível. Vao virar post com certeza.

Abs, fabio

Anônimo disse...

A Hortência pode ser uma incompetente, pode não ter levado em conta a luta destes técnicos para fazerem seu trabalho no interior de São Paulo sem apoio, a gestão incompetente do Grego e etc. Mas ela não está errada: os técnicos brasileiros, sejam do masculino ou do feminino, pararam no tempo!!!! Diferente do voleibol que exporta treinadores para outros paises, que forma atletas de altissimo nivel (pra quem não sabe a CBV pretende dar um curso para professores que trabalham com voleibol, visando a diminuição de vicios motores)e que tem um centro de treinamento de 1º mundo. O Basquete que tanto amamos, frente a tudo isto, é amadorismo puro...

Chizu disse...

O vôlei está só colhendo os frutos de um longo trabalho de base feito pela confederação. Os títulos conquistados transformaram o vôlei no 1º esporte do Brasil (não considero Futebol porque é religião, hehehe!). O trabalho da CBV é fantástico e a hegemonia mundial não é só no adulto feminino/masculino. É praticamente em todas as categorias do voleibol. É essa mesma estrutura implantada no vôlei que falta ao basquete brasileiro.

Anônimo disse...

Pois é, mas um governo que acredita que esporte X é esporte pra burgues e que a prioridade não é a basde, fica difícil acreditar que o futuro mudará.

Anônimo disse...

Só acho que deve se ter muito cuidado para comparar basquete com volei, já que a quantidade de seleções de alto nível nesse esporte é muito inferior que do basquete. Basta dizer também que um jogados citado aqui por alguns como "meia boca" - o Leandrinho - ganha muito mais em salários que qualquer jogador da seleção de volei. Além disso, o volei só tem campeonatos de nível na Itália e Brasil. Eu acho que além do descaso dos dirigentes, sua grande incompetência e mesmo assim, temos uma seleção ao menos mais completa do que a da época do Oscar. Aquela seleção não tinha um armador como o Huertas nem jogadores de garrafão como o Tiago Splitter e Anderson Varejão. Acontece que o basquete mundial evoluiu demais, tem muita seleção fortíssima que nem se classificou para o mundial...

Anônimo disse...

O problema do basquete brasileiro, está SOMENTE na questão estrutural e de organização, pois o nivel da CBB é de amadorismo puro e politicagem. O dia que resolvermos trabalhar como PROFISSIONAIS no basquete, teremos grandes glórias como o volei, pois talento, material humano e BONS TÉCNICOS (pois temos vários estudando no exterior pq não tem oportunidade no nosso país) temos.Gente somos 190 milhões de habitantes, temos atletas para volei, basquete, e demais esportes.A receita tá pronta e em portugues dentro de casa com o volei e o professor Dr. Paulo Murilo.A CBV durante 10 anos trabalhou e lançou o Visotto, o Bruninho, a Natalia e a Adenizia p 2016. A Hortência em 10 meses lançou a Janeth para 2016.Esse é um exemplo simples e que demonstra claramente o abismo profissional entre as duas entidades, e c isso só quem sai perdendo é o Basquete brasileiro como um todo. Então o que resta é aturar as asneiras e absurdos da Hortência e nos orgulhar cada vez mais do VOLEIBOL BRASILEIRO.

Anônimo disse...

Pessoal todo basqueteiro ja jogou um pouco de voleibol e vice versa, muitos optam pelo volei pois não tem contato e seus fundamentos são mais simples e em menor numero, alem do mais e o esporte da midia a varios anos (desde a era Willian e Renam), posso falar de cadeirinha pois sou de Santo André. onde pode-se dizer tudo começou (com Moreno e Brunoro na Pirelli).
Realmente o volei no cenario mundial e muito menos competitivo, tanto em campeonatos, onde so da pra se respeitar o Italiano e o brasileiro (e olha que a pouquissimos times de nivel, na verdade com alto nivel so nos mesmos centros onde temos o nosso ¨melhor¨ basquete).
Se vcs acompanharem as peneiras do volei, vcs chegarão a ver mais de 600 garotos por peneira nos principais clubes, e não são muitos, talves seis no Brasil todo, mas claro a os clubes pequenos como no basquete que dão condições a uma parcelas dos dispensados, e sempre aparece algun garoto bom que depois e levado para um grande centro.
Em termos de salarios, não da pra citar sete times no Brasil que paguem salarios tão altos, e varios times duram no maximo um ano.Em termos de salário no mundo não se compara o volei com o basquete, os do basquete são bem maiores, dai os campeonatos e jogadores de basquete terem melhor nivel la fora (la so vai pro volei quem não aguenta ou não leva jeito pro basquete).
Em termos de amparo e dinheiro do cob, logico que a preferência e maior pedaço do bolo vão para o volei, afinal da resultados.
So não acho que ha o perigo de acontecer no volei que acnteceu no basquete nos ultimos 20 anos, pois quando vemos um treino de volei (por exemplo Pinheiros e São Bernardo) e um de basquete (pinheiros, São Bernardo e Paulstano) vemos a diferença no profissionalismo da categoria, tanto em tecnicos quanto em jogadores; se for falar da base ai piora mais a disparidade.
Coo vem, a semelhanças na estrutura dada aos dois esportes, aonde esta a diferença, na midia e competitividade internacional ou na cultura desportiva de tecnicos e jogadores, e digo mais o pessoal da CBV não e bobo, eles sabem que estão muito longe do ideal, e acho mais facil eles melhorarem o seu caminho do que a CBB acordar.

Multiesportes

Anônimo disse...

Sem me esquecer, pabens ao Volei, que continuem ganhando e melhorando, que sirvam de exemplo para o desporto nacional.

Multiesportes

Anônimo disse...

"Realmente o volei no cenario mundial e muito menos competitivo, tanto em campeonatos, onde so da pra se respeitar o Italiano e o brasileiro"
Sera que o americanos responderiam NBA e Euroliga se lhes perguntassem quantos campeonatos de basquete respeitaveis existem no mundo?

"Acontece que o basquete mundial evoluiu demais, tem muita seleção fortíssima que nem se classificou para o mundial..."
Me falem duas seleções "fortissimas" que não se classificaram para a Turquia?
Será que os americanos também acham que existem umas 13 seleções competitivas no basquete mundial?

Adoro basquete, não sou muito fã de volei mas ficar dando este tipo de desculpa não é legal....acho que demonstra um pouquinho de inveja.

Ah, também acho que o problema do basquete é culpa de todos os envolvidos: Dirigentes, técnicos e jogadores.
Abraços
Luiz

Anônimo disse...

Vcs estão falando de campeontatos e nivel de equipes competitivas entre o volei e o basquete: concordo que os campeonatos Italianos, a Superliga e o Camponato Russo (vcs esqueceram, pois ele paga bons saários) são os mais conhecidos. A Turquia está vindo forte este ano nos campeonato nacional tbm. Não se esqueçam dos campeonatos universitários dos EUA (que revelam um grande numero de jogadores)e de suas seleçõs permanentes - só este ano o feminino de lá lançou várias boas jogadoras UNIVERSITÁRIAS no Grand Prix do qual foi campeão - sendo que duas delas jogarão a próxima superliga brasileira. E o que falar das seleçõs asiáticas, lá o Voleibol é muito mais emergente que o Basquete. Então não citem Europa como resto do mundo no volei...

Anônimo disse...

A questão é que TUDO leva um jovem brasileiro de alta estatura a preferir o vôlei: os resultados internacionais, o espelho de grandes ídolos, a organização, a maior massificação, além do aspecto de que o basquete exige o domínio de um número maior de fundamentos, por ser um esporte de contato físico e de movimento constantes. Mas o que pesa mesmo é o nosso amadorismo diante da profissionalização do vôlei.

Anônimo disse...

OBSERVADOR

Na minha opinião todos os posts aqui foram com opiniões mais ou menos na mesma linha,só que nada se consegue da noite para o dia,talvez a grande maioria que aqui opinou esta na mente os últimos 20 anos,com o titulo em Barcelona,só que a coisa vem bem mais de longe.
em 1977 o Brasil sediou o Mundial Juvenil de Voleibol.o Presidente da CBV era o Nuzmam,qual foi sua iniciativa,seleções permanentes com o masculino em Belo Horizonte e o Feminino em S.Paulo(ou vice-versa).O campeonato foi televisado ao vivo pela Band .Logo em seguida surgiu o Luciano do Valle com seu show do esporte na Band,e o volei inteligentemente fez uma parceria e o Luciano jogou o volei masculino na mídia,com as "viagens ao fundo do mar" "jornada na estrelas" Renam e Bernard,foi a geração Prata,no feminino não ganhavamos nem sulamericano,no Pan eramos quarto lugar,mas eram as "musa" Izabel,Vera Mossa,Jaqueline.Enquanto o basquete com presidentes, que já não estão entre nós,pouco enxergavam a frente.Ai ele entrou mesmo sem titulos na mídia,o basquete feminino vivia em função das disputas Paula x Hortencia,pouco importando as cidades ou os clubes que elas representavam,o basquete masculino com seu ídolo maior jogando na Europa,Oscar, e,mesmo o titulo de 1987,não foi aproveitado como um salto em termos de marketing e mesmo massificação da modalidade.Que, venhamos é muito mais praticado nas escolas do que o basquete pela menor dificuldade de ensino(não há contato físico)e mesmo no aproveitamento de espaços fisicos que no basquete requer a tabela e o aro pelo menos.
Com o titulo de Barcelona e o Basquete sem chegar a podium algum em Mundial e Olimpiadas,é óbvio que tanto o menino e menina de estatura vão optar pelo volei,pela maior visibilidade,Tv Globo apresentando jogos ao vivo de Liga Mundial etc.Para encerrar é ai que tudo começou e os frutos estão sendo colhidos,patrocinio do BB de 36.000.000,00 ano,Centro de Treinamento, etc.Então não adianta ficar no basquete buscando o último presidente ou o atual como culpados do atual estado,o problema é bem antigo,que foram camuflados com o Pan em 1987 e os tiulos Mundial de 1994 e Vice Olimpíco de 1996,Para encerrar,os Estados ficaram muitos anos sem terem os campeonatos de base,visto que a CBB simplesmente os extiguiu,assim como os JEBS.Portanto aonde foi a massificação,que não função da CBB!

Toledo/MG disse...

Bala: muito bons comentários, mas existem algumas posições extremamente duvidosas.
Primeiro, essa história de que o basquete tem muito mais fundamentos que o volei. Isso não é uma verdade total, tanto assim que o esporte de alto nível é praticado por "especialistas", ou seja, uma pessoa treinada para ser atacante de ponta não vai ser levantador, um líbero não vai ser meio de rede e por aí afora. Outra coisa, a estatura é preponderante em ambos os esportes, mas no volei é essencial, muito mais que no basquete, tanto que "baixinhos" nas peneiras, só se forem excepcionais, enquanto jogadores hábeis no basquete, como Steve Nash, por exemplo, tem mais chance de conquistar um lugar. No feminino, então, nem se conta. As mais altas do basquete serão baixas numa rede de vôlei.
Finalmente, a questão da infraestrutura, como a necessidade de uma tabela, é obviamente infundada, pois em qualquer quintal ou corredor você pode montar uma tabela e treinar arremessos, como acontece em Franca, nosso maior celeiro, enquanto uma rede é bem mais difícil de se improvisar. Nenhum dos dois se pode praticar sozinho, mas dá para treinar arremessos até desmaiar, o que, aliás, a Hortência e o Oscar faziam muito.
O bom é que todos concordam quanto aos problemas de gestão e falta de planejamento e apoio às categorias de base.
Abraços.

Anônimo disse...

Gente.... treinar uma passada de ataque com um iniciante, assim como uma manchete, que não são movimentos naturais, é uma coisa dificílima...