quinta-feira, 1 de julho de 2010

Pelo fim da miopia

Tiago Splitter (foto) foi campeão espanhol no dia 15 de junho de 2010. Desde o dia 16 não há notícia do maior jogador brasileiro da atualidade no site da CBB. Seria trágico, se não fosse o “menor” dos problemas. É simples: a instituição não possui plano estratégico algum para Tiago, Érika, Nenê, Franciele, Anderson, Leandrinho ou qualquer atleta brasileiro. Massificação da modalidade? Esqueça. Crescimento de popularidade dos atletas? Na internet, talvez. Novas receitas para a entidade máxima do basquete nacional? Impossível.

O desencanto é óbvio e se explica. Depois de anos de nulidade com Grego no comando, esperava-se que José Carlos Brunoro, considerado um papa do marketing esportivo, trouxesse oxigenação em ações de marketing, comunicação e planejamento estratégico à CBB. Não é o que se vê, sinceramente, e já se passaram mais de 12 meses desde a sua posse. Para se ter uma ideia, na Espanha o “nosso” Splitter já foi “boneco” real e virtual, figurinha de álbum e a sua camisa está entre as mais vendidas de toda a Europa. Promessa de campanha de Carlos Nunes, a reformulação do site da CBB ainda não saiu do papel e a loja virtual para a compra de produtos sequer tem previsão de lançamento.

Pode parecer um post azedo depois do que vimos ontem à noite com a seleção Sub-18, mas é justamente o contrário (isso se chama oportunidade). Nunca o basquete brasileiro mostrou tanto potencial – de mídia, de receita, de crescimento, técnico, de resultados, de tudo. Se a CBB precisava de alguma fagulha para agir, ela não precisa mais. Para o grande público, Tiago Splitter continua a ser um ilustre desconhecido. E não é por culpa dele, evidentemente.

26 comentários:

Anônimo disse...

putz, ótimo artigo bala!
matou a charada
que lentidão, hein!

edu

Luiz Fernando Paes disse...

bala,

aproveitando o embalo, veja que curioso ..

http://www.cbb.com.br/images/NotasOficiais2/20100602_184781_097-2010.pdf

http://www.cbb.com.br/images/NotasOficiais2/20100511_61368_081-2010%5B1%5D.pdf

ambos documentos no site da cbb, um da convocação do sub-18 e outro da seleção adulta

em ambos consta o armador do Minas, Raulzinho ..

em um pdf ele tem 1,86
no outro ele tem 1,80

já vi no site da lnb que ele tem mesmo 1,80, mas esse erro poderia ser evitado ..

afinal o 0 nem é perto do 6 ..

abs

fábio balassiano disse...

que situação, hein, luiz...

mas, sério, este é o menor dos problemas.
o site é apenas a ponta do problema de comunicação/marketing da cbb.

abs, fábio

Anônimo disse...

Quem é o diretor de comunicação e markenting da CBB?

Anônimo disse...

Quem é o diretor de comunicação e markenting da CBB?

fábio balassiano disse...

brunoro, anônimo.
http://www.cbb.com.br/sobre_a_cbb.asp?menu=mscbb

abs, fábio

Paulo M. F. disse...

Na minha ótica houveram avanços evidentes no basquete brasileiro. O maior deles, sem dúvida, foi a criação da Liga Nacional, com um campeonato que a cada ano apresenta melhoras em todos os aspectos. Contudo, a maior participação da CBB no que tange à criação e desenvolvimento da LNB foi não ter se metido no assunto. Apesar disso, vejo alguns avanços feitos pela própria CBB, como a contratação de um técnico como Magnano, o lançamento do embrião da Escola de Técnicos, uma melhor condução no relacionamento com os atletas, a assinatura com a Nike. Porém, concordo que os avanços têm sido muito lentos e tímidos até o momento, pois no basquete tudo precisa ser feito para anteontem...

Lucas disse...

Realmente essa nossa boa geração de atltelas está sendo muito mal aproveitada.
Não sei se a CBB pode explorar a imagem dos jogadores. Eles devem ter seus contratos de imagem atrelados à NBA e à liga espanhola.

Mas deveriam sim trabalhar na massificação do esporte. Nós temos uma geração muito boa e com uma imagem muito boa! Colocar o Leandrinho ou o Varejão pra dar umas aulas em um camping da CBB seria uma boa. A CBB deveria ter esses campinngs de basquete como existe lá nos EUA.
Também precisamos de mais jogos aqui no Brasil. Eu nem me lembro qual foi a última vez q vi aseleção jogar aqui no Rio... E quando jogam vêm sem os craques da NBA e Európa.

Mas acho q tudo isso passa por uma liga nacional mais forte. Com mais alguns anos de NBB funcionando direito viraremos o maior mercado da américa latina rápido. E ao menos não perderíamos jogadores para mercados menos atrativos da Europa. Acho q esse seria o caminho pra massificar o esporte. Uma liga forte e com alguns ídolod jogando por aqui.
Já temos Alex em Brasília e Marcelinho no Flamengo, mas é pouco o Basquete brasileiro merece mais.
Abraço.

Paulo M. F. disse...

Aliás o erro em relação a não criação até agora da loja virtual pela CBB para a venda de produtos da seleção é, estupidamente, repetido pela LNB. Isso porque, feliz ou infelizmente, a maioria das pessoas que curtem basquete no Brasil são das classes A, B e C, ou seja, é gente que tem grana pra gastar com bola, camiseta, agasalho, DVD, souvenir diversos, DESDE QUE TENHAM ONDE COMPRAR NÉ!!! Isso geraria uma receita boa para a CBB e para os clubes da LNB. É estupidez pura que a CBB e LNB não tenham uma loja virtual. No site das confederações de volei, futebol e até de handebol existem lojas virtuais....

Lucas disse...

Ah, esqueci de falar no outro post, é uma vergonha a CBB não ter uma loja virtual mesmo!!!
Tento comprar a camiseta da seleção há tempos e não consigo!!!
Assim não há marketing q faça milagres....

Rafael disse...

Há uns meses, estava em Bilbao, e me perguntaram como poderiam comprar as camisas da Seleção, do Huertas e do Splitter, que, inclusive, já tinham entrado no site da CBB mas não tinha informação nenhuma... senti vergonha alheia por não saber responder !!

É triste ver que aqui, não se quer usar a imagem do jogador como mkt p. o time... lá os jogadores, toda hora (sem exagero), vão a escolas, estão com a molecada, estão sempre fazendo alguma ação promocional e de incentivo a prática do esporte !!!

Lucas, jogo da seleção teve no ano passado, inclusive com os NBA e ACB. Mas, e a divulgação ????

Na Espanha tem o álbum de figurinhas da ACB, o da Panini, aquele, da Copa....
As camisas dos times, que chegam a custar 60€, podem ser compradas em maiores quantidades, e o preço abaixa. Se vc comprar de 7, 8 (o que não é nada difícil juntar com amigos) chegam a custar 15€... isso sem falar nas outras peças, como camisas de treinos, calças, moletons, polos, as tais das bufandas...



abs,
Rafael

The Ring disse...

Tente mais tarde.
É época de Copa do Mundo de Futebol e o pessoal do marketing está ocupado.

fábio balassiano disse...

amigos, discussão boa.
e, lucas, sim, teve jogo jogo da seleção ano passado no rj.
e se você não lembra, isso não é culpa sua
em marketing, costuma-se dizer que a percepção de uma coisa é mais importante do que a realidade.

se a sua percepção é de que não houve, é porque alguém não fez questão de que você lembrasse do evento...

abs, fábio

Anônimo disse...

Bala,


Não tem nada de azedo seu post, pelo contrário, é muito pertinente. Concordo com o cara que lembrou que em época de Copa nada se faz, então seria bacana você voltar ao assunto um outro momento.

Dúvidas:

Afina, a CBB tem um "Plano de Marketing"?

Brunoro e equipe apresentou alguma proposta de trabalho à CBB?

Após um ano não seria o momento de apresentar um relatório sobre o que foi realzado por ele?



Paulinho.

fábio balassiano disse...

paulinho, valeu pela força.
mas em "época de copa do mundo nada se faz" não pode ser desculpa pro basquete - principalmente neste momento mágico do splitter e da modalidade.

o vôlei tá jogando a liga mundial, e o site da cbv é cheio de notícias dos caras. se não dá "pra vender pra fora", que se venda ao menos para o público interno e fiel da modalidade.

veja em http://www.cbv.com.br/cbv2008/

certo?

concordo com vc: um relatório iria muito bem!

abs, fábio

Anônimo disse...

Com certeza, Fabio.


A CBB não pode parar, mas não me referi ao trabalho deles, mas ao efeito que esse tema pode produzir sendo tratado após a Copa, capisce?

Seus argumentos estão muito bem colocados e é um problema muito grave mesmo.


Paulinho.

Anônimo disse...

pergunta para o Grego o porque de nao ter camisas da seleçao para vender nas lojas??? Um amigo meu falou que a Nike vai disponibilizar isso

Anônimo disse...

É realmente uma vergonha!!!!

Anônimo disse...

Bala..informação de fonte segura..a CBB está desenvolvendo junto a Nike um trabalho forte com os idolos do feminino e masculino,para massificá-los dentro do Brasil..em breve os resultados aparecerão..outra coisa..a CBB e o Brunoto tem um baita projeto que já esta sendo implantado e aos poucos o resultados serão visíveis..mas as coisas não são tão fáceis como parece. Uma falha, por enquanto, é que esta faltando comunicação com aimprensa para todos saberem tudo o que está sendo feito nos bastidores.Mas em breve, todos verão que tenho razão no que digo.

fábio balassiano disse...

torço mto pra vc estar certo, anônimo.
mas, de novo, ficar na dependência de uma empresa é tiro no pé.
o basquete precisa aprender a caminhar sozinho!

abs, fábio

Anônimo disse...

Anônimo das 23:10,


É um projeto secreto?!?!?


Parece piada mesmo, um porjeto de marketing que ninguém fica sabendo... belo marketing!!!

Anônimo disse...

Esse Brunoro é uma piada, continua no esporte por conta do que fez no Palmeiras Parmalat, mas quantos anos já se passaram?????
Ele tá é mamando na CBB e o pior de tudo que este presidente só quer viajar, seja com o masculino ou o feminino. Por favor ajudem nosso esporte ergam as mangas e trabalhem um pouco mais.

fael disse...

Não dá pra entender varias noticias exaltaram o Thiago Splitter e a Erika bi-campeã espahola não conta.
machismo.......

fael disse...

Não dá pra entender varias noticias exaltaram o Thiago Splitter e a Erika bi-campeã espahola não conta.
machismo.......

Anônimo disse...

Bala..e o jogo da Seleção Brasielira adulta, semana que vem, vais fazer alguma matéria? abçs Willian

fábio balassiano disse...

william, vou sim.
pode deixar
abs, fábio