quinta-feira, 22 de julho de 2010

O que eu faria

Como esperava, o post aqui debaixo causou um rebuliço no blog. Não tenho a menor intenção de ser dirigente da CBB, mas para não ficar apenas na crítica, coloco aqui o que eu faria para o basquete feminino:

1) Promoveria uma renovação radical na seleção adulta (digo isso porque acredito que a geração que irá ao Mundial da República Checa não conseguirá, por exemplo, ficar entre as quatro primeiras). Manteria apenas Érika, Iziane e Adrianinha como pilares experientes e promoveria as jovens. Seria claro e diria: “Vamos perder durante três, quatro anos, mas as meninas vão evoluir”. Preencheria o grupo com Nádia, Franciele, Tássia, Damiris, Fabiana, Débora, Tatiane Pacheco, Joice, Aruzha e outras meninas. Em 2016, no Brasil, teríamos uma seleção forte, alta e rodada.
2) Só colocar as jovens, porém, não basta. O ideal seria colocá-las para rodar em camps na Europa e EUA, fazer amistosos contra seleções fortes, terem clínicas com profissionais capacitados e fazer com que elas permanecessem mais tempo com a seleção brasileira.
3) Tentaria criar, como é feito no vôlei, um time Sub-21 para disputar o Nacional Feminino. Seria bom para todo mundo. Para os clubes, que veriam as meninas que pouco são aproveitadas na categoria adulta se desenvolverem, e para o basquete brasileiro, que diminuiria o hiato que há entre a base e o profissional.
4) Investiria pesado nas seleções de base (com capacitação dos técnicos, promoção dos campeonatos interestaduais e acompanhamento das jovens). O projeto é de longo prazo, mas é preciso preparar a semente desde já.

Obviamente são apenas as minhas ideias, e provavelmente muitos de vocês pensam diferente. A caixinha está aberta para o debate.

20 comentários:

Anônimo disse...

Não adianta sugerir algo que sabemos que nunca será implantado pela CBB. Acredito que é possível renovar sem radicalismo. O maior exemplo de renovação que temos no Brasil foi realizado pelo Miguel Angelo da Luz que colocou Leila, Alessandra como pivõs titulares no Mundial de 94, porém, se elas não dessem conta do racado, tinha a Ruth e a Simone Pontello(?) para dar retaguarda. O resultado, nós conhecemos bem.

O que falta nessa gestão da CBB é priorizar o trabalho de renovação. A Helen, Alessandra, Kelly e Adrianinha são atletas consagradas e é ótimo tê-las no grupo, mas colocar a Mamá de titular numa Copa América e deixar a Franciele no banco, foi pessimo.

Falta essa visão para que algumas atletas novas consigam ter mais espaço na seleção e a renovação ocorra naturalmente.

Marco Lins disse...

Fábio,

É disso que precisamos neste momento: SUGESTÕES. É claro que não devemos esquecer as críticas construtivas, mas acho que esta direção da CBB está mais aberta as novas idéias.

Gostaria de lembrar que dentro em breve estaremos vivendo uma situação semelhante no Masculino. O que será de nós quando Nenê (34), Varejão (34), Leandrinho (34), Marcelinho (41), Alex (36), Giovanoni(36) e Huertas (33) envelhecerem (Em parênteses a idade que eles terão em 2016, será que ainda poderemos contar com eles na olimpíada do Rio ? Certamente a grande maioria deles estará longe de sua plenitude).

Só teremos reposição de qualidade nos pivôs (Bebê, Fab. Mello, Augusto ...) e olhe lá


Espero que possamos começar a penar nisso desde já ou nos depararemos com a mesma situação atual do feminino em 2016.

Paulinho disse...

Eu penso assim: Se as altetas que estão sendo convocadas nos últimos 4 anos , nada de expressivo conseguiram fazer pela seleção brasileira, está na hora de dar chance à outras meninas.

Alguém sabe dizer quando Palmira, Karen, Mamá e Micaela jogaram bem pela seleção?

Se a Hortência parar de insistir em quem não dá resultado, teremos 4 vagas em aberto para começar um processo gradativo de renovação, o que já está de bom tamanho para um Campeonato Mundial.

Marco Lins disse...

Ressalto ainda que lamento o fado de você não almejar nenhum cargo na CBB. Acredito que seria fundamental que pessoas como você que são apaixonadas pelo basquete pudessem contribuir mais de perto para mudar este quadro. Como seria bom ler algum representante da CBB comentando estas e tantas outras sugestões.

Paulinho disse...

A idéia da seleção sub-21 disputando campeonatos nacionais e torneios internacionais é excelente.

Anônimo disse...

"Tentaria criar, como é feito no vôlei, um time Sub-21 para disputar o Nacional Feminino"

Já havia reinvindicado aqui essa possibilidade. Já que os treinadores das principais equipes do país preferem trabalhar com as veterenas deixando as jovens em segundo plano, pq a CBB não toma essa iniciativa, uma seleção permanente? É viável e seria interessantíssimo.

Agora, não sou tão pessimista, acho q a seleção pode estar entre as 4, e se não existisse na FIBA a permissividade nas naturalizações, seria capaz de apostar q com o time completo estaríamos entre as 4.

Leonardo Rodrigues

Alexandre Estefan disse...

Parei de ler na parte "Manteria apenas Érika, Iziane.."
Iziane? Sem mais.

fábio balassiano disse...

alexandre, também não sou fã da iziane, mas ela pode ajudar para que o trauma não seja tão grande.
só isso.

poderia ter lido até o final.

abs, fábio

Anônimo disse...

Não dá para ter uma seleção de novatas e contar com essas três Bala, justamente elas com histórico de recente de pedidos de dispensa. E a classificação para as Olímpiadas de 2012, como ficaria?

fábio balassiano disse...

respeito, anônimo, mas duas coisas:
1) com essas meninas, acho que mesmo assim conseguiríamos vencer a argentina para participar das olimpíadas.
2) se nao participar das olimpíadas, paciência. a coreia do sul fez isso, e em 2008 nos venceu.

abs, fábio

Alexandre Estefan disse...

Fábio, acompanho suas colunas desde a época do site lá do Marcel, depois no rebote e agora aqui, então aprendi a respeitar e admirar suas opiniões, mesmo aquelas que eu não concorde.
Mas acho que as "novatas" não aprederiam boas coisas com a Iziane, se é para manter pilares experientes, que seja com jogadores que se importem com o coletivo, com a parte tática, respeitem o técnico, as companheiras e a nossa seleção.
O "parei em" é apenas força de expressão.
Abraços.

Anônimo disse...

É verdade que Adrianinha, Erika e Iziane sempre tem problemas para se apresentar pontualmente à seleção, por isso acho que não seria um base muito confiável, essa que sugerida. Pedir para atletas que ainda são juvenis para assumirem papel de liderança na seleção adulta acho que é pedir demais. Elas precisam de uma transição gradativa, senão seria traumático. Eu gosto muito da proposta de renovação da Espanha: 50% do time formado por meninas de até 23 anos, promovendo algumas ao time titular, mesmo que em detrimento aos grandes nomes da seleção.

Anônimo disse...

Para o Muncial, de acordo com as decisões que já foram tomadas, eu ficaria muito satisfeito em ver Franciele titular, Nádia sexta jogadora e Damiris 12.ª jogadora. Não podemos esquecer o objetivo principal do ano, que é o Mundial, mas também precisamos começar agora a pensar em 2012, pois Alessandra e Helen (39 anos) não estarão lá com certeza e quanto a Kelly, Adrianinha, Mamá e Micaela (33/34 anos) não sabemos como estarão rendendo ainda.

fábio balassiano disse...

alexandre, não curto a iziane, mas coloquei-a para ver se o trauma diminui...
só isso.

abs, fábio

Anônimo disse...

Nao concordo com todas mas gosto de algumas.
Fica uma pergunta para vc entao bala. Voce acha que e facil isso??? Que e facil arrumar dinheiro para isso? Sera que se ficarmos fora da olimpiada o patrocinador vai continuar apoiando? ou a berba do COB vai continuar entrando??Se ficar fora da Olimpiada a liga interna vai melhorar?
Apenas algumas perguntas.
Abraços
Paulo

fábio balassiano disse...

paulo, boas perguntas.
vamos lá
1) não, não é fácil
2) o contrato com a eletrobrás tem duração de 4 anos
3) se o projeto for apresentado a patrocinadores, não creio que eles mudem de ideia (principalmente se for estatal).
4) acho que é preciso coragem, só isso.

abs, fábio

Anônimo disse...

Devemos renovar mesmo. A Damiris é excelente jogadora, mas e a Mônica ( Pivo )do Bradesco Osasco?? Foi considerada a melhor juvenil do ano passado do campeonato paulista. Mesmo sendo seu primeiro ano de juvenil. Além disso nas ultimas convocações pela seleção brasileira foi uma das melhores. Acredito que esqueceram dela.Imagino que o campeonato paulista seja o melhor do Brasil. Sem desmerecer os demais.
TEM QUE COLOCAR ESSAS MENINAS PARA TREINAREM E JOGAREM COM A SELEÇÃO .
ABRA O OLHO HORTENCIA.

Técnico de Basketball disse...

Provavelmente não iremos a Londres-2012. Simples assim, mas, como torcedor, quero morder a língua. Como técnico sei que aos 37 anos não dá pra manter o ritmo e o nível.

A questão que surge é: Hortência trouxe um técnico espanhol, de terceira linha na Espanha, para... Poder levar a Iziane. ela esta confiante que a Iziane vai resolver tudo como ela e Paula faziam e que Micaela, Mamá e etc. serão ótimas coadjuvantes. Ela só esqueceu de avisar A Austrália, por exemplo, entre outras, de seus planos. Justamente as equipes que eram freguesas do Brasil e que agora somos fregueses.
Então, continuismo e falta de proposta é a realidade da seleção feminina.
Já no masculino... Os hermanos mandam e nossos técnicos perdem espaço. É a ação de garantir espaço para 2016 e não ser demitido em 2012: quanto mais "fracos" e inexperientes os técnicos brasileiros, mais tempo Magnano fica. E a CBB dando corda para ENTB fazer cursinho a R$ 800,00 e promover entrega de carteirinha...
Lamentável...

Anônimo disse...

Imagino que o palhaço aqui de cima queira um curso de treinadores gratuito aqui no Brasil. Ele e pago e exigido no mundo todo mas aqui tem que ser de graça e se possivel dando diaria para os treinadores comparecerem ne??
isso aqui e uma piada!!!

Anônimo disse...

Concordo com coach...só não tenho essa certeza que todos tem na classificaçao do masculino para londres 2012 , vamos torcer para os estados unidos ser campeão do mundial e já levar um vaga automatica por que se eles perderem vão vir mordendo para pre olimpico , argentina completa tbm , ai temos porto rico e as outras selecoes ai complica para nós...